sexo espirirtual

Mulheres e homens selvagens e divinos!

Atualmente, muito se fala de sexo espiritual, de sagrado feminino e sagrado masculino e os diversos caminhos que podemos percorrer rumo à nossa conexão com o Sagrado.

Temos uma forma particular e acadêmica de tratar o assunto e temos visto uma certa confusão de conceitos que se reforçados, ao invés de nos ajudar, nos afastarão do Sagrado, em direção ao nosso ego, aumentando a sensação de separação.

Sagrado masculino e Sagrado feminino são nomes que damos a energias. Toda energia masculina do nosso Universo é chamada de “Deus” e toda energia feminina, por sua vez, chamada de “Deusa”.

Deus e Deusa são energias presentes em toda a criação e não devem ser consideradas sinônimos de homem e mulher. Além de reforçar nossa posição já institucionalizada de superioridade perante a natureza, isso pode atrapalhar nossa autoaceitação e muito, nossa sexualidade.

As culturas e religiões mais ligadas à natureza entendem o Sagrado masculino/Deus e o Sagrado feminino/Deusa como opostos complementares e presentes em toda a criação, inclusive nos seres humanos.

Em algum momento da história ocidental, fomos levados a acreditar que a natureza está à nossa disposição e que atitudes mais ativas são melhores do que as passivas e aí se deu um grande nó, porque ao assumir esses valores, todos nós, homens e mulheres adotamos uma postura que podemos chamar de machista, sendo que ela valoriza os aspectos masculinos da criação, como conquistar e dominar.

Na Criação, os aspectos mais passivos, como conter e gerar são ligados à Deusa e aspectos mais ativos como semear e proteger, ligados ao Deus, porém, esses aspectos estão dentro de todos nós. Nenhuma criatura é 100% Deusa ou 100% Deus, todos somos uma mistura dessas energias, a quem chamamos de Sagrado.

A sexualidade humana é um amplo espectro de possibilidades, poderíamos até considerar que cada um de nós, sendo únicos, temos uma sexualidade única também.

Para a visão holística, todos somos seres energéticos e espirituais, “vestindo” um corpo material que nos proporciona a porção “selvagem” tão necessária para uma sexualidade completa.

Ainda nessa visão, nosso corpo é parte da natureza e a serve e aí vai a primeira recomendação para a conexão com o Sagrado… aceitar que somos parte de um todo e que esse todo tem diferentes ciclos e aspectos, influenciados pela Lua, pelo Sol, pelos 4 elementos… por tudo que nos cerca.

A partir daí, identificar dentro de nós essas influências, aceitá-las e expressá-las de forma adequada harmoniza o conjunto corpo-alma, masculino-feminino dentro e fora de nós.

Técnicas diversas de sexo espiritual podem ajudar muito nesse processo de assumir, reconhecer e expressar adequadamente, mas sem dúvida, o primeiro passo é entender que masculino e feminino são opostos complementares e que, podemos ao mesmo tempo, ter uma relação sexual totalmente selvagem e prazerosa fisicamente e estar totalmente em conexão com o que há de mais divino.

Esse é nosso recado dessa semana: homens não são o Deus, mulheres não são a Deusa, todos temos deus/deusa interiores que podem oferecer à nossa vida sexual um cardápio muito mais saudável e conectado ao todo se abandonarmos a visão de superioridade e separação.

Entre com seu email para receber as atualizações:

Desenvolvimento FeedBurner

Autor SexAtivação

SexAtivação é um projeto com Vivências, Sex Coach & Produtos Holísticos para ativar a vida amorosa e sexual dos casais, liderado por Carlos Morini e Liliane Provenzano. Carlos e Liliane estão juntos desde 1998... Por acreditar que é possível ser feliz no casamento, descobriram que a vida sexual pode ficar melhor com a cumplicidade de uma relação sincera e do sexo como um caminho de religação ao Sagrado, ideia que simboliza o chamado sexo espiritual. Entendem que qualquer pessoa ou casal pode ter uma vida sexual feliz, independentemente do caminho espiritual, por isso, criaram formas de passar sua experiência, através do Sex Coach Holístico (terapias holísticas para melhorar a vida sexual) e vivências de SexAtivação (conjunto de técnicas que aprenderam e aprimoraram ao longo do tempo e que envolve troca de energia, movimentos e respiração). E... não pretendem parar por aqui...Informações: institutoubiratan@uol.com.br

LEIA TAMBÉM

amor-versus-odio

A complexidade do sentir: ódio do bem x amor do mal

Complexidade ódio-amor que impõe o funcionamento robótico, ou seja, aquele que, enquadrando as pessoas em um único programa de pensar, elimina as diferenças e anula a individualidade. Por Beatriz Breves*

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.