Mapear-se sensorialmente é preciso, por Marianna Kiss

“Não despreze a masturbação, é fazer sexo com a pessoa que você mais ama”. Woody Allen

Opa! Hoje é DIA NACIONAL DA MASTURBAÇÃO e eu jamais deixaria de falar sobre o tema aqui…

Diva linda, você percebeu que eu falei muito sobre mapeamento sensorial ou auto toque amoroso, certo? Pois bem, permita-me contar um segredo sobre tal termo, também conhecido como treinamento do assoalho pélvico ou autoconhecimento genital ou íntimo… Isso tudo significa masturbação, o bom e velho tabu feminino. E por que eu a tratei com um nome diferente? Para instigar a sua curiosidade e não entregar o tema de bandeja no sumário, mas também para não te assustar com o peso que essa prática, genuinamente natural, significa para nós. Contudo, agora que você está bem mais desconstruída com relação a sua sexualidade, vou continuar o assunto com o termo original, combinado?

A masturbação ainda é um assunto constrangedor de se conversar entre amigas. As mulheres se sentem envergonhadas e não admitem que se masturbam, mas como sou uma DONA DO PRÓPRIO PODER, sem vergonha do que sou e do que penso, não poderia deixar de tocar neste assunto aqui com você. Mesmo porque, a masturbação feminina existe desde que éramos caçadoras, andávamos nuas e nossa vulva ficava livre para o auto toque sem proibições absurdas… Naquela época ninguém nos dominava. Nem o advento das roupas, o início do patriarcado a nos controlar e a demonização do ato pela Igreja foram capazes de abafar o prazer do roça roça dos nossos próprios dedos entre as pernas que nos proporciona tantas sensações mágicas. Entretanto, chegar a esta prática ainda é proibido para muitas de nós e eu entendo perfeitamente os motivos socioculturais atrelados.

Seria muito bom se, em nossa sociedade, o sexo não fosse um assunto proibido para as mulheres e se pudéssemos transar como piscamos os olhos, sem sermos alvos de preconceitos ou daquele sentimento de culpa. E o mesmo vale para a masturbação. A sociedade a coloca no patamar para as mulheres sozinhas e que não são capazes de conseguir um par e eu canso de ouvir coisas do tipo “sou muito bem acompanhada e não preciso me masturbar” como se o objetivo dela fosse substituir o par ou servir de consolo às solteiras. Longe disso! A masturbação é, antes de mais nada, a única forma de realizarmos um mapeamento anatômico dos nossos órgãos genitais e, consequentemente, sensorial porque é só tocando neles que conhecemos as sensações de prazer, dor ou incômodo. E nem sempre a masturbação precisa nos levar ao prazer ou ao orgasmo. O maior objetivo dela é o autoconhecimento. Simples assim e sem tirar nem pôr. 

Nos meus atendimentos é muito comum eu me deparar com mulheres que não sabem o que querem na cama com suas parcerias. Quando pergunto do que gostam, elas simplesmente não sabem porque não se conhecem, nunca se tocaram ou sequer se olharam no espelho. E mais, durante as minhas sessões de terapia tântrica, qualquer que seja a técnica aplicada eu super incentivo que minhas clientes sejam autônomas do próprio prazer e o que isso significa? Que eu as ensino e as incentivo a se tocarem o tempo todo e a masturbação está liberada. Eu acho divino quando estou aplicando uma massagem de resiliência nas costas, por exemplo e elas começam a tocar em suas Yonis ou movimentam suas pelves se esfregando no tatame. Isso demonstra que elas são donas de si. O nosso trabalho é todo cocriado e no Espaço Terapêutico Marianna Kiss, todas as mulheres são livres e estão num lugar completamente seguro para serem o que são e, mais… Estão ali pagando para serem livres, plenas e DONAS DO PRÓPRIO PODER e prazer. Essa é e sempre foi a minha missão de trabalho. Eu amo realizar esse trabalho, exatamente desse jeito e com esse poder mútuo. 

O seu poder me empodera.  

O seu poder me inspira.

O seu prazer me dá prazer.

O seu prazer faz o meu trabalho valer a pena.

Saiba que você será tratada assim o dia em que me der a honra de ser a minha cliente no meu espaço. 

Já antecipando o tabu relacionado à masturbação, eu falo sobre o auto toque ou mapeamento sensorial ou autoconhecimento genital ou treinamento do assoalho pélvico e todas, de forma unânime, se interessam e pedem algum exercício, mas quando eu falo que isso é masturbação, os olhos se arregalam, as mãos tremem e elas engasgam. Com isso eu preciso interromper o processo e iniciar um trabalho de psicoeducação o qual eu também farei com você aqui por meio de uma simpática listinha:

  1. A masturbação NÃO causa calos e pelos nas mãos, histeria, cegueira e etc. Tudo isso foi inventado no passado para amedrontar e desestimular as jovens a se masturbarem. Não há nenhuma doença ou reação corporal aparente que indique que você se masturbou naquele dia – exceto pelo seu sorriso de orelha à orelha porque conseguiu sentir um belo orgasmo como consequência.
  2. Aliás, você sabe como os médicos tratavam a histeria feminina que no século IX era considera uma doença mental? Com masturbação em consultório, é mole?! A palavra histeria se origina do grego “hysterika” que significa útero e, na época, a medicina acreditava que a energia do útero era a responsável pelos ataques “histéricos” das mulheres. Hoje, sabemos que as oscilações emocionais e de humor são causadas pela TPM e pelo estresse. Sendo assim, as ditas mulheres histéricas eram encaminhadas para clínicas especializadas e “curadas” por meio de massagens pélvicas, ou seja, masturbação que somente os médicos poderiam realizar a ponto de levá-las ao “paroxismo histérico”, ou seja, ao orgasmo. Simplesmente se fazia fila na porta das clínicas de mulheres sedentas por esse tipo de tratamento. Por que será, né?! Até eu seria uma dessas clientes. Para os médicos, o processo manual era extremamente exaustivo e passou a provocar tendinite e dores crônicas, logo, empresas de tecnologia criaram ferramentas para facilitar esse trabalho e evitar problemas desse tipo e daí deu-se início a história dos vibradores que eu não vou contar aqui porque não é conteúdo do DONA DO PRÓPRIO PODER.
  3. A masturbação NÃO causa falta de sensibilidade na vulva quando realizada com moderação. Tudo feito em excesso é péssimo em qualquer âmbito da vida, mas sobre a masturbação há um porém… Não é que, em excesso cause a falta de sensibilidade, contudo a mesma pressão, velocidade e intensidade na mesma região repetidas vezes, sem descanso, acaba machucando a inervação local e o mais comum é que isso aconteça com o uso de vibradores. Se isso acontecer com você, não entre em pânico, basta dar um tempo dos estímulos que tudo volta a ser como era antes, ou seja, bem prazeroso.
  4. A masturbação NÃO provoca riscos à saúde ou disfunções sexuais. Diva, eu sou rata de literaturas científicas e não há nenhuminha que comprove tal hipótese. Caso ouça isso por aí, saiba que é intriga da oposição conservadora que prega a abstinência sexual e o sexo apenas para procriação.
  5. A masturbação NÃO vicia, eu tenho o pdf do manual de transtornos mentais que é referência em todo o planeta e eu posso te passar caso deseje conferir com seus próprios olhos e leitura. A gente transforma algo em vício, seja ele qual for, quando fazemos de uma atividade uma fuga da realidade para os nossos problemas, nossa ansiedade ou qualquer outro transtorno pelo qual estejamos passando. A masturbação, bem como o chocolate, a comida, fazer compras ou atividade física sem limites, pode se tornar um objeto de vício, mas jamais provoca um e aí, para-se de comer, de beber, de trabalhar, de se relacionar e até de sair de casa. Mas, a culpa não é da masturbação ou de qualquer outra prática sexual, hein.
  6. Mulheres bem relacionadas se masturbam SIM! Quem te disse o contrário? Seu par que está morrendo de ciúmes porque você está a poucos dias para se transformar definitivamente numa DONA DO PRÓPRIO PODER e quer você exclusivamente só para ele ignorando completamente que você só pertence a si?! Ou foi a sua mãe ou alguém da sua família ultra conservador e que não preza pelo próprio prazer desejando a mesma infelicidade para você? Ou foi aquela amiga que nunca teve um orgasmo ao mesmo tempo que se negou a adquirir o curso on line DONA DO PRÓPRIO PODER e está longe de se abrir para o próprio poder e prazer por puro medo de ser feliz? Qualquer que seja o argumento proferido em torno deste tema, esqueça porque não é verdade. Simples assim.
  7. Masturbação NÃO é coisa de adolescente. É coisa de uma DONA DO PRÓPRIO PODER em qualquer idade ou fase da vida e sem vergonha de ser feliz;
  8. Nenhuma masturbação é igual. Cada uma de nós se toca do jeito que deseja e bem entende. Ou de forma mais rápida, ou mais forte, ou com os dedos, ou com vibradores, em movimentos circulares ou não… Eu até vou te passar um guia de masturbação mais à frente, contudo é para que você tenha ideia do que pode fazer inicialmente. O decorrer da sua vida masturbatória vai ser por sua conta. E não se esqueça de me dizer caso descubra algum movimento novo, hein! Vou amar experimentar.
  9. “Somente os homens se masturbam”. Besteira! Isso é mito! A explosão hormonal na adolescência serve para ambos os gêneros, bem como os desejos e vontades que continuam pela vida adulta e só cessam na hora da morte, seja para mulheres ou homens. O orgasmo e o prazer são para todos.
  10. “As mulheres que se masturbam são frígidas e têm problemas”. Ai ai ai, papai! Frigidez se refere à frieza e nenhuma de nós merece o peso que traz esse péssimo adjetivo – eu vou falar detalhadamente sobre isso numa lição mais à frente. A gente se masturba para se conhecer, para reconhecer todos os nossos órgãos de forma tátil já que os visualizamos na técnica do espelho, além, da doce e intensa sensação de prazer que pode ou não culminar no orgasmo. Mas, isso também não significa que as mulheres que se masturbam estão isentas de adquirirem disfunções sexuais e quando chegarmos a este tema você vai entender muita coisa. O resto é balela da oposição, mais uma vez e quem tem problemas é esse povinho que não entende nada de sexualidade e fica espalhando um monte de abobrinhas por aí.
  11. “A mulher na menopausa deve esquecer a masturbação”. Bem como não há hora exata para se iniciar, não há para cessar. E a masturbação é um dos exercícios mais indicados para a mulher menopausada justo porque ela continua estimulando a circulação sanguínea na vagina – dentre outros órgãos – que fica atrofiada devido à queda hormonal. Você acredita que eu atendo uma cliente na terapia tântrica que tem 69 anos, mas com uma vagina de uma jovem de 20 e sabe por quê? Porque ela se masturba todos os dias.
  12. Menstruação e masturbação SUPER combinam. Mais à frente há uma aula inteirinha sobre a menstruação e os mitos atrelados e este é um deles. De antemão saiba que tanto o sexo quanto a masturbação podem e devem ser praticados durante o período menstrual e isso alivia muito as cólicas e induz ao relaxamento muscular.
  13. “As mulheres não devem se masturbar porque os orgasmos são finitos durante a vida”. Diva, eu deveria dar um óscar de criatividade para quem inventou essa falácia. Quem não entende de sexualidade, acredita veementemente que à medida que nós mulheres envelhecemos, perdemos a nossa capacidade natural de chegar ao orgasmo e por isso gastamos nossa cota quando nos masturbamos. Avisa pro povo que isso acontece com nossos óvulos e não com os nossos orgasmos… Acho que alguém se confundiu com a grafia das palavras.
  14. “A masturbação acaba com o desejo sexual”. Ao contrário! Principalmente quando atingimos o orgasmo, que é o maior reforçador do desejo sexual. É com a masturbação que desejamos mais e mais sexo e fomentamos nosso desejo sexual. E mais, ao contrário dos homens que, dependendo da idade ou condicionamento físico, não aguentam uma cena de sexo após a masturbação, a gente parte pra cima após uma brincadeirinha sozinha. 

“Uau, Kiss… quantos mitos, né?”

Pois é, diva. Socialmente, a masturbação não foi normatizada para as mulheres como sempre foi para os homens. O menininho tocava no “pintinho” e todos achavam graça. Já a menininha quando brincava com a “periquitinha”, era repreendida e aprendia que aquilo era feio, sujo e pecado. 

A sensação de culpa ainda ronda a liberdade do toque masturbatório, pois por muito tempo a masturbação se manteve como a grande vilã da nossa sexualidade, afinal de contas, este prazer não era lícito, além de cruelmente punido. A máxima de que todo prazer do ser humano deveria ser concedido única e exclusivamente a Deus, tornou a masturbação absolutamente proibida, bem como todas as outras práticas sexuais que não servissem à procriação. Entretanto, não vivemos mais no século X ou no passado e é por isso que estou aqui para desconstruir essa falácia: masturbação é algo natural sim, muito prazerosa e deve ser feita sempre que se tem vontade. E não me venha com esse papo de que “sou muito bem casada e não preciso me masturbar” ou “não sinto prazer algum me masturbando” ou ainda “não sei por onde começar, tenho vergonha de mim mesma” porque já passamos por conhecimento e técnicas suficientes aqui juntas, hein! Sem contar que, se você não gosta da palavra “masturbação” porque ela ainda te trás recordações pejorativas, não tem problema, pode substituir por qualquer dos termos sinônimos que já mencionei. E o ato não tem como objetivo te levar ao prazer extremo ou ao orgasmo e sim, de fato, ao autoconhecimento íntimo. Estou repetindo isso propositalmente para que a mensagem se grude no seu cérebro de vez. E você também não precisa, neste primeiro momento de sua primeira experimentação íntima, atrelar o toque na sua genitália ao erotismo. Essa etapa é para quando você se sentir íntima e segura, ou seja, DONA DO PRÓPRIO PODER. E também, não precisa sair comprando sexy toys para tal, combinado? A primeira vez é melhor com as nossas ferramentas corporais mais perfeitas: nossos dedinhos salientes e curiosos.  

Todo ser humano naturalmente acaba descobrindo o prazer do auto toque sexual com as próprias mãos ainda na infância, mesmo que não tenha noção do que é sexo ou erotismo. Esse prazer é apenas fisiológico, ou seja, relacionado à resposta sensorial. Somente na adolescência é que o auto toque sexual remete ao prazer sexual. Ele acontece antes mesmo de se descobrir o prazer com um par e esse desejo permanece por toda a vida. Contudo, a nós mulheres, esse prazer é negado e desestimulado, tanto que eu conheço pouquíssimas mulheres do meu meio social ou familiar que assumem se tocar. Eu tive de dar de presente de natal um bullet para o marido da minha mãe para que ela soubesse como é a sensação de uma masturbação e pasmem! Ela não pratica sozinha. O tabu é tanto que ela só topa usá-lo na transa com ele. E não importa, como você inicie esta nova etapa em sua vida e nem onde. Ela pode ser realizada no chuveiro, na cama antes de dormir, no banheiro do escritório, deitada, em pé, de ladinho… O importante é você se tocar e não ter vergonha, até porque não há motivos para isso. Você vai se tocar quando estiver sozinha e ninguém precisa saber. E de mais a mais.. se ainda assim e depois de tantos argumentos você ainda estiver reticente, encare esse auto toque como um carinho, um mimo que você merece proporcionar a si. E mais… você já se tocou na técnica do espelho 2 e nem percebeu. Risos. Peguei você, diva bobinha. Está vendo, como a masturbação não tem nada demais e nem é um bicho de sete cabeças como você sempre imaginou?!

Outro motivo pelo qual a masturbação é essencial na vida de uma DONA DO PRÓPRIO PODER é que ela proporciona a autonomia sobre o próprio prazer. Imagine você que dedicou anos de sua vida à sua profissão e, por isso, ficou um tempinho sem namorar, ou então, tirou um ano para curtir a vida de solteira ou para meditar no sabatismo? Nada te impede de transar somente por prazer, mas… e se você não quiser? E se for do tipo que só transa por paixão ou conexão? Ou se ainda, acabou de sair de uma relação tóxica ou abusiva e está longe de querer se relacionar de novo, nem casualmente? Caso você não se toque, vai perder a oportunidade de ter prazer sexual sozinha. Eu ando aproveitando muito bem a minha nova fase “solteira” e te aconselho a fazer o mesmo. 

Agora uma dica: você vai se deparar com amigas que vão tentar te convencer que nada substitui o calor de um corpo másculo suando sobre você, aquela voz ao pé do ouvido dizendo coisinhas obscenas ou o bom e velho “in & out” e, eu concordo. Contudo, a masturbação não é e nunca foi um substitutivo de parceria, sem contar que ela tem suas próprias vantagens, como por exemplo:

  1. É algo natural, ou seja, é da natureza do ser humano bem como de outras espécies animais. É tão natural que todos os macacos se masturbam, e se outros animais tivessem patas com função de mãos como as deles, também não hesitariam em se masturbar, se bem que há os que se masturbam se lambendo – e está tudo bem também.
  2. Seu corpo clama por prazer e toques sensoriais, sendo assim, é mais um motivo para você fazer jus as suas vontades fisiológicas.
  3. É a melhor forma de se conhecer intimamente, de saber onde sente mais prazer e quais são os pontos de maior excitação, ainda mais agora que você já conhece o potencial do seu clitóris e todos os órgãos da sua vulva; 
  4. É extremamente relaxante no final de um dia de estresse ou antes de dormir.
  5. É quase um direito adquirido. Com a masturbação, as mulheres têm a grande oportunidade de se concentrarem na própria sexualidade, tornando-a mais rica e prazerosa.
  6. Conhecendo-se sexualmente, você pode conduzir melhor o sexo com o seu par e também guiar a mão dele ao seu clitóris, aos seus seios ou para aquele pontinho que lhe dá mais prazer e que só você sabe onde fica justo porque se conhece muito bem da cabeça aos pés.
  7. Muitas mulheres conseguem o orgasmo pela masturbação, o que nem sempre acontece na relação sexual com o par. Sabia dessa? 
  8. A masturbação é um dos exercícios mais eficazes para você adquirir segurança e autoconfiança, fato que contribui muito também para o desbloqueio da dificuldade de orgasmo.
  9. Conseguir obter prazer sozinha dá um baita poder e autonomia nos deixando mais sábias para não cairmos nas garras de pessoas mau intencionadas.
  10. A masturbação melhora o sono, reduz o estresse e a tensão, ativa a concentração e evita dores de cabeça. Ah! E reduz, também, as cólicas menstruais visto que os orgasmos provocam a contração do útero bem como a lubrificação vaginal porque estimula a circulação sanguínea no local. Além de elevar a nossa autoestima por nos deixar com a pele mais macia devido a liberação de hormônios e melhorar o condicionamento físico do assoalho pélvico.
  11. Em prol da masturbação, você pode iniciar uma coleção infinita de bullets e vibradores. Eu já cheguei ao modelo 69 da minha. Risos. 

Ao mesmo tempo em que pessoas conservadoras brigam para continuarem a condicionar atividades sexuais de muito prazer, mas que estão bem longe da procriação, como pecaminosas, mais e mais mulheres estão percebendo o quanto é importante olhar para o próprio corpo e para a sexualidade livre de tabus e acarinhando-se da necessidade desse belo mapeamento sensorial.

Para muitas mulheres, a masturbação é o único caminho para o orgasmo e para outras é uma bela fonte de prazer a qualquer momento do dia, sozinha ou em companhia do par. Talvez algumas precisem de uma ajuda profissional para chegarem ao ápice do prazer acompanhadas, mas o auto prazer é um importante primeiro degrau para diversas desconstruções. A terapia tântrica é uma importante aliada nesse processo por meio, principalmente, da massagem Yoni. 

Podem falar mal da masturbação, mas ela é uma verdadeira fonte de libertação, não apenas sexual, como também de padrões de beleza impostos. Nessa atividade única, íntima e individual, não precisamos nos analisar fisicamente e nem fazer medições das nossas gordurinhas localizadas, nem usar uma lingerie nova para impressionar o espelho, muito menos gastar com cabelo, unhas, depilação e maquiagem. Para iniciar o ato basta ter vontade e fantasia e, se houver uma graninha extra, pode-se investir também em alguns brinquedos terapeuticamente eróticos, embora um bom par de dedos baste como aliado ao poder do nosso melhor órgão sexual – o cérebro – para fantasiar eroticamente. E mais, a mulher tem o total controle sobre todo o processo, desde a velocidade até a intensidade dos movimentos dos dedos que estão livres a acariciar todo o corpo, todos os órgãos da vulva e chegar à penetração com os dedos, ou não. E a mulher pode se contentar com apenas um orgasmo ou vários, pouco ou muito intensos e ainda transformar isso em conhecimento para guiar o par em seu próprio parque de diversões e ainda se torna habilitada para nunca ficar na mão quando a transa estiver sem sal e indo pro brejo. E sabe o que isso significa? Que você, aderindo a esta prática, vai ser a única responsável pelo próprio prazer, isso te soa algo? Hein, hein?! 

Preste atenção no quanto isso é magnificamente empoderador… em primeiro lugar, a masturbação tem o objetivo de autoconhecimento genital e, tendo dominado essa parte, vem o prazer. O seu prazer é seu e de mais ninguém e alcançá-lo depende somente de você. Ou seja, você não vai mais aceitar qualquer relacionamento por carência ou porque está subindo pelas paredes se tiver o domínio sobre a sua masturbação. Não estou dizendo que a masturbação vai substituir um corpo quente ao seu lado e em cima de você, longe disso. Estou afirmando que você vai poder escolher com quem deseja se relacionar somente sexualmente, com a possibilidade de um relacionamento ou se prefere ficar sozinha. E, em todas as opções você vai chegar ao seu orgasmo se essa for a sua escolha porque isso não depende de mais ninguém. 

Outra vantagem da masturbação é que, quanto mais você praticá-la e chegar ao orgasmo ou se contentar com muuuuuuuito prazer, mais vai fomentar a sua vontade sexual. Lembra que o orgasmo é o maior reforçador do desejo sexual? Opa! A repetição é proposital para fixar a ideia na sua mente e isso é psicoeducação. Risos. Essa característica da masturbação vai te abrir também a novas experiências que te proporcionarão mais prazer ainda. Além disso, você vai se sentir mais segura tanto no seu dia a dia em sua vida pessoal, quanto quando estiver diante de um novo par. Sentimentos de vergonha, timidez e pudor por causa do seu corpo ou por achar que é inexperiente não serão mais problemas. E cá entre nós, não há nada mais sexy do que uma mulher DONA DO PRÓPRIO PODER e prazer. Vai por mim. 

Eu sou uma DONA DO PRÓPRIO PODER que se masturba todos os dias além de ser extremamente convincente, pois não? Eu sabia! Afinal, não é à toa que eu sou a terapeuta de mulheres mais preparada para te atender. E, caso desejo um SUPER guia da masturbação erótica criado por mim… já sabe onde encontrar, né? No meu Best Seller DONA DO PRÓPRIO PODER que você encontra no www.sexsencia.com.br. E, você pode me acompanhar também no www.instagram.com/mariannakisssexologa e no www.instagram.com/divadakiss

Beijos empoderados, Marianna Kiss

Autor Marianna Kiss

Marianna Kiss é Sexóloga, Terapeuta Sexual e Tântrica Taoísta, professora de sexualidade na Formação em Sexcoach Oficial. Em sua coluna DONA DO PRÓPRIO PODER ela fala sobre a saúde íntima e sexualidade da mulher.

LEIA TAMBÉM

camiseta-de-time-não-e-boa-pra-namorar

Camisetas de times não são adequadas para encontros amorosos

Ter um primeiro encontro com a pessoa desejada é um ‘golaço’ e tanto. Mas será que a camiseta do time favorito tem espaço durante a paquera? Segundo pesquisa apenas 3% dos usuários consideram as camisetas de time adequadas para dates. Saiba mais aqui.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verified by ExactMetrics