oxum-beyoncé

A sexualidade na mitologia yorubá !

Muitas pessoas, até próximas nos perguntam (ou perguntam para si mesmas), porque adotamos o panteão yorubá para nossa vida pessoal, profissional, espiritual e religiosa.

Claro que essa pergunta é motivada pelo fato dos Orixás serem mitos de origem africana, retratados de forma exótica, geralmente seminus e com a pele escura (ou seja, em geral, a motivação é o pré-conceito e o desconhecimento).

Nossa resposta é bem pontual: os orixás são mitos/arquétipos que representam em suas lendas todos os tipos de pessoas e personalidades, ensinando o lado “sol” e lado “sombra” que cada característica traz consigo, simbolizados, por exemplo pela dualidade persistência e teimosia de Oxalá, combatividade e ira de Ogum, sedução e manipulação de Oxum e assim por diante…

Na área da sexualidade, os mitos estão cheios de casamentos, relacionamentos extraconjugais, bissexualidade e homossexualidade, mostrando que nossa sexualidade individual encontra eco nos mitos e portanto, todos podemos encontrar arquétipos com os quais podemos nos identificar.

Você não precisa passar a cultuar os orixás de forma religiosa para se identificar e se conhecer melhor, porque como mitos, suas histórias e singularidades estão disponíveis, basta respeito e seriedade.

Existem muitas interpretações sobre suas características e histórias, principalmente no âmbito religioso, mas nossa intenção aqui é dar um exemplo-referência, principalmente em relação à sexualidade.

Quer conhecer um pouco mais?

– Exu é o mensageiro entre os homens e os demais orixás e não tem nada a ver com o demônio cristão (não confundir também com exus que trabalham em terreiros, que por sua vez, NÃO são trevosos e espíritos “sem luz”)… Representado por grandes falos, também chamados “ogós”, Exu simboliza o movimento, o perder a seriedade e encarar a vida de forma mais divertida, incluindo a própria sexualidade, por isso, podemos entender esse mito como aquela divindade que coloca um espelho à sua frente para você encarar sua verdadeira face (e se conseguir rir dela, melhor ainda!).

– Bombogira (também não confundir com entidades, que por sua vez, NÃO são prostitutas…), é aquela que, depois de encarar de frente quem você é, vai te ajudar a reconhecer seus desejos e aconselhar a melhor forma de assumí-los e expressá-los adequadamente.

– Ogum é o orixá guerreiro e disciplinado, que adora as festas compartilhadas com os (poucos) amigos sinceros e dividido entre a sedução de Oxum e a coragem de Yansã.

– Oxum é considerada a mais bela entre as orixás femininas, sedutora e amorosa, tem uma queda por Ogum e Xangô, mas estende a sedução por quase todos que passam por seus mitos, inclusive Yansã.

– Yansã, que foi seduzida por Oxum, é considerada a mais namoradeira entre as orixás femininas, alguns mitos contam que ela namorou com praticamente todos os orixás masculinos. Valoriza a liberdade, a alegria e a coragem, também é guerreira e, em meio aos seus namoros, casa com Ogum e depois foge com Xangô.

– Xangô é o símbolo do magnetismo masculino, adora boa comida, boa bebida, fartura de vida, de sexo e casa-se, ao mesmo tempo, com Obá, Oxum e Yansã.

– Oxalá é o orixá da fé e da vitalidade e se divide entre duas esposas, Nanã, que é a calma e sabedoria e Yemanjá, que é a mãe de formas arredondadas e seios fartos.

– Yemanjá é a orixá mais ligada ao arquétipo da Grande Mãe, mas nem por isso deixa de ter orgulho de suas formas e de exibí-las com orgulho e vaidade, assumindo sua sexualidade.

– Obá é uma orixá muito combativa e gosta de sexo com uma “pegada” mais intensa. Um de seus mitos conta que ela prometeu perder a virgindade com o orixá masculino que ganhasse dela em um combate (e Ogum ganhou)…

– Oxossi é o orixá masculino que simboliza a comunicação e a persuasão, namora rapidamente com Yansã e é seduzido por uma poção de Ossãe, com quem acaba morando.

– Ossãe é o orixá masculino que representa a seiva das plantas e por ser um grande conhecedor de suas propriedades, seduz e conquista Oxossi.

– Oxumaré é o orixá com características femininas 6 meses no ano e masculinas nos outros 6 meses, simbolizado pela cobra e pelo arco-íris, lida muito bem com sua sexualidade sazonal.

Viu quanta riqueza e diversidade? E esses são apenas alguns dos orixás…

E o melhor de tudo, você pode admirar e se identificar com muitos deles ao mesmo tempo ou com alguns ao longo de sua vida, aprendendo que pode ser feliz e expressar sua sexualidade sem culpa, pois os mitos nos ajudam a compreender melhor a nós mesmos e ao mundo à nossa volta.

Axé!

Entre com seu email para receber as atualizações: 

Desenvolvimento FeedBurner

Autor SexAtivação

SexAtivação é um projeto com Vivências, Sex Coach & Produtos Holísticos para ativar a vida amorosa e sexual dos casais, liderado por Carlos Morini e Liliane Provenzano. Carlos e Liliane estão juntos desde 1998... Por acreditar que é possível ser feliz no casamento, descobriram que a vida sexual pode ficar melhor com a cumplicidade de uma relação sincera e do sexo como um caminho de religação ao Sagrado, ideia que simboliza o chamado sexo espiritual. Entendem que qualquer pessoa ou casal pode ter uma vida sexual feliz, independentemente do caminho espiritual, por isso, criaram formas de passar sua experiência, através do Sex Coach Holístico (terapias holísticas para melhorar a vida sexual) e vivências de SexAtivação (conjunto de técnicas que aprenderam e aprimoraram ao longo do tempo e que envolve troca de energia, movimentos e respiração). E... não pretendem parar por aqui...Informações: institutoubiratan@uol.com.br

LEIA TAMBÉM

amor-versus-odio

A complexidade do sentir: ódio do bem x amor do mal

Complexidade ódio-amor que impõe o funcionamento robótico, ou seja, aquele que, enquadrando as pessoas em um único programa de pensar, elimina as diferenças e anula a individualidade. Por Beatriz Breves*

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.