o-que-e-sexonia

Você sabe o que é sexônia?

Tipo raro de parassonia pode acometer algumas pessoas com uma espécie de sonambulismo sexual.

Considerada como um distúrbio do sono, a sexônia pode levar os seus portadores a se masturbarem, fazerem vocalizações sexuais, tocarem seus pares e até iniciarem relações sexuais ou atingirem orgasmos – tudo enquanto estão dormindo!

Segundo um estudo realizado em 2017, apenas 17 casos foram relatados em 16.000 pacientes estudados, sendo que 47% dos pacientes tinham um histórico de sonambulismo e/ou terrores noturnos.

Isso pode explicar porque a maioria das pessoas que sofrem dessa doença também não se lembram de nada ao acordar sobre o que fez ou disse durante a noite, bem como podem acordar confusos.

Assim como outros distúrbios do sono, como insônia e sonambulismo, certos comportamentos e atividades podem agravar a sexônia, como estresse ou ansiedade, consumo de álcool, privação de sono, más condições de sono, viajar e até dividir a cama.

Afetando os homens na proporção de 3:1, com maior incidência entre os mais jovens adultos, a sexônia pode variar em frequência de indivíduo para indivíduo.

Entre as mulheres portadoras dessa condição, existe uma predominância da masturbação como comportamento sexual durante o sono. Em contrapartida, entre os homens, esses comportamentos tendem a variar mais.

Sexônia X Polução Noturna

É importante lembrar que os episódios de Sexônia não tem nada a ver com a Polução Noturna.

A sexônia, assim como sonambulismo e o terror noturno, é categorizada como um distúrbio do sono do tipo parassonia do sono não-REM, acontecem em zonas limítrofes do ciclo das fases do sono, em que a consciência adormece, mas a parte motora nem tanto.

Por isso, se caracteriza por ações como masturbação, gemidos e até mesmo toques nos parceiros, porém com dificuldade para despertar do sono.

Já no caso da Polução Noturna é uma ejaculação noturna que acontece de forma involuntária durante o sono, na fase REM, geralmente quando se tem um sonho erótico, como consequência da fisiologia do orgasmo e sem ações motoras como a masturbação, por exemplo.

O que pode também acontecer com as mulheres tendo orgasmos involuntários enquanto dormem.

Diagnóstico e tratamento

Em geral, os portadores de sexônia não sabem de sua condição, até que pessoas próximas, como seus parceiros, familiares e colegas de quarto lhe avisem de seus comportamentos durante o sono.

Embora seja rara, a sexônia é tratável, podendo ser controlada. É diagnosticada em uma clínica do sono.

O tratamento inclui a redução do consumo de drogas e álcool, e observação e acompanhamento de outros distúrbios do sono que possam estar combinados, além de outros fatores como ansiedade, estresse e depressão subjacentes.

Alguns especialistas recomendam também a terapia para ajudar a processar sentimentos negativos inconscientes que podem estar desencadeando a sexônia.

Para os casais em que haja ocorrência de sexônia, a comunicação aberta é essencial, pois a questão do consentimento pode se tornar um problema para parceiros dos portadores da doença.

Autor Julianna Santos

Relações Públicas, atuante em assessoria de imprensa e gestão de conteúdo para internet. Pós graduada em Educação Sexual pelo ISEXP – Instituto Brasileiro de Sexualidade e Medicina Psicossomática da Faculdade de Medicina do ABC, atendeu a várias empresas e profissionais do ramo erótico de 2002 até atualidade, estando inclusive a frente da sala de imprensa da Erótika Fair de 2002 a 2010. Também é certificada em Inbound Marketing pelo HubSopt Academy.

LEIA TAMBÉM

Os mitos e verdades sobre o tamanho do pênis

O artigo fala sobre mitos e verdades sobre o tamanho do pênis. Ele esclarece que existem técnicas e exercícios que podem ser feitos para aumentar o tamanho do pênis, mas que as cirurgias devem ser consideradas com cuidado devido aos possíveis efeitos colaterais. Também menciona que o tamanho do pênis não é o mais importante para as mulheres e que o tamanho médio do pênis é de cerca de 12 a 16 cm. O artigo também menciona sobre os acessórios para aumentar o penis, como extensores, bombas de vácuo e pesos, mas alerta para o uso com cuidado e sempre consultar um médico antes de utilizá-los. Em resumo, o artigo esclarece que o tamanho do pênis não é tão importante quanto se pensa e que existem opções para aumentá-lo, mas é preciso ter cuidado e sempre buscar orientação médica.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *