sexo-na-velhice

Sexo: como enfrentar os desafios da idade?

As transformações fisiológicas e emocionais que surgem com a idade trazem desafios à relação e à intimidade. Conheça seis dicas essenciais para ajudar a enfrentar e a adaptar-se às mudanças.

Por Jorge Sousa*

Sexo pode ter idade para começar, mas nunca para terminar. Manter uma vida sexual ativa em todas as idades, mesmo nas mais avançadas, tem inúmeros benefícios, tanto para a saúde do corpo, como da mente, proporcionando uma maior qualidade de vida.

É certo que o processo de envelhecimento traz mudanças fisiológicas. Na mulher, com a menopausa, por exemplo, a diminuição drástica de estrogénio atinge o desejo e a lubrificação. Já no corpo masculino, a produção de testosterona começa a cair, aos poucos, a partir dos 40 anos, o que pode traduzir-se em situações de impotência (disfunção erétil) e de diminuição do desejo sexual.

Segundo Irina Marques, especialista em Sexologia Educacional e diretora da Flame Love Shop, marca portuguesa de complementos para a vida sexual, “é indispensável perder o medo ou a vergonha de falar sobre estas situações, saber partilhar com os parceiros e procurar ajuda especializada, em qualquer idade, sempre que necessário”.

Depois, há o processo de adaptação às transformações. Enfrentar os desafios originados pelas mudanças da idade “requer um novo olhar sobre a intimidade e outras formas de dar e sentir prazer“. Também o lado emocional não deve ser esquecido, pois “a sexualidade inclui o amor, o carinho e a partilha com o outro“, sublinha a especialista da Flame Love Shop.

Finalmente, as vantagens da maturidade. Com o avançar da idade, os indivíduos tendem a alcançar um melhor entendimento, não só de si próprios – do seu corpo e da sua mente -, como do outro que está ao seu lado. Para Irina Marques, “o autoconhecimento, a autoestima, a habilidade comunicativa e a perda de inibições à medida que a vida avança são aspetos positivos para as relações e a intimidade“.

Seis dicas para enfrentar os desafios da idade:

1. Vá sem pressas

Comece por saber (e aceitar) que a relação sexual não vai ser sempre igual. O ritmo sofre alterações com a idade e o corpo deixa de aguentar maratonas sexuais ou penetração por muito tempo, no caso dos homens. Por isso, adapte-se e vá com calma que o caminho para o orgasmo não necessita de ser em velocidade.

2. Não poupe no lubrificante

Com a menopausa, as mulheres também sofrem alterações fisiológicas e a vagina perde lubrificação, o que pode provocar dor e desconforto. Por isso, adquira um bom lubrificante e não o poupe na hora de usar.

3. Descubra novas formas de prazer

A procura pode ser tão excitante, como a descoberta de novas formas de prazer. Lembre-se que sexo não é penetração. Invista no toque, nos beijos, na massagem, na masturbação, no sexo oral ou até em novas posições.

4. Traga acessórios para a intimidade

Deixe a vergonha de lado e traga acessórios sexuais para a intimidade porque eles são excelentes aliados na conquista do prazer. Por exemplo, a mulher pode ganhar satisfação com um vibrador e o homem com um anel peniano, que segura a ereção por mais tempo.

5. Conheça o poder dos estimulantes

Os estimulantes podem ser muito úteis para quem tem dificuldades leves a moderadas na ereção. Apesar de existirem muitas opções naturais, é importante aconselhar-se previamente com o seu médico antes de experimentar.

6. Torne as suas fantasias reais

Com o envelhecimento não tem de deixar de sonhar. Explore as fantasias que ainda não concretizou e construa novos desejos. Lingeries, roupas sexy que representam personagens ou jogos eróticos são excelentes complementos.

* Texto enviado por Jorge Sousa nosso correspondente em Lisboa.

Autor Correspondente

Viu alguma coisa que pode virar notícia para o Mercado Erótico? Viajou, visitou lugares interessantes, entrevistou pessoas marcantes que possam contribuir para os leitores desse site? Envie-nos seu material que publicamos aqui em regime de colaboração! Entre em contato conosco pelo email: contato@mercadoerotico.org

LEIA TAMBÉM

sindrome-da-boazinha

Síndrome da Boazinha: quando a necessidade de agradar o outro se torna um problema

Você se considera boazinha demais? Está sempre em busca da aprovação do outro? Acha que as pessoas podem estar se aproveitando de você, em função do seu  jeitinho? Tem dificuldade de dizer não, mesmo que não tenha tempo ou interesse em atender determinadas solicitações? Se você respondeu sim para estas perguntas, certamente sofre com a “Síndrome da Boazinha”. Este é um padrão de comportamento compulsivo e não um transtorno psiquiátrico, como explica Filipe Colombini, psicólogo e CEO da Equipe AT.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verified by ExactMetrics