Inicio >> Hot News >> Como ter mais amor-próprio no relacionamento (e fora dele)
amor-proprio

Como ter mais amor-próprio no relacionamento (e fora dele)

Quando o indivíduo aprende a amar a si próprio, aumentam suas chances de construir relacionamentos mais saudáveis

Se amar e aprender a se colocar em primeiro lugar é fundamental para estar bem consigo e com o(a) parceiro(a).

Mas como fazer isso? A psicóloga do Grupo São Cristóvão Saúde, Aline Melo, revela que parar de focar em agradar os outros é um dos pontos-chave no desenvolvimento do amor-próprio.

“Ao contrário do que muitos pensam, o amor-próprio não é um egoísmo, a pessoa que se ama trata os outros com mais amor também e possui vínculos mais saudáveis”, frisa.

O amor-próprio, segundo ela, é essencial para a construção de relacionamentos saudáveis. “Normalmente, quando pensamos em amor, é comum associarmos este sentimento ao outro. Porém, é necessário refletir como o amor está sendo projetado a nós e por nós”, explica.

É isso que permitirá uma conexão mais madura, com mais respeito consigo e com o outro. A psicóloga alega que, ao fortalecer o amor-próprio, a pessoa terá mais condições de reconhecer suas carências e inseguranças, evitando projetá-las no parceiro.

Como a falta de amor-próprio afeta sua vida e o seu relacionamento

Sintomas como dificuldade de autoaceitação (tanto em relação à imagem quanto a sua forma de ser), baixa segurança, dificuldades em reconhecer suas qualidades e potencialidades, autocobrança, culpa excessiva, medos acentuados e busca de estímulos reforçadores constantes advindos de outras pessoas em forma de elogios, por exemplo, são indicativos de que a autoestima precisa ser trabalhada.

Seus efeitos, e consequente falta de amor-próprio, tão nocivos para uma pessoa, podem ser ainda mais devastadores quando entra em jogo um relacionamento amoroso.

De acordo com a especialista, não ter o amor-próprio bem desenvolvido pode fazer uma pessoa permanecer em relações que a agridem emocionalmente, pois como não tem o amor por si desenvolvido, não consegue identificar aspectos que dão subsídios para se proteger, e até mesmo se esquivar, de situações como esta.

Além disso, conforme fala a psicóloga, uma pessoa sem amor-próprio também se relaciona de maneira menos saudável com o outro.

“Nesse caso, é possível que haja situações de maior carência emocional, ciúmes, projeções e exigências ao qual o outro não poderá suprir, pois pode haver o desejo de que o amor que não consigo dar a mim eu busque no outro ou exija do outro, mesmo não sendo essa a função do parceiro em nossa vida”, salienta.

Para ajudar nesse processo de autoconhecimento e desenvolvimento do amor-próprio, a especialista dá 5 dicas importantes:

1. Trabalhar o autoconhecimento  

Analise diariamente seus gostos, suas atitudes, coisas que te fazem bem, te trazem prazer e coisas ao qual você não gosta ou não se identifica. Estabeleça um caminho de dedicação em reconhecer quem você é.

“Prestar atenção nesses aspectos e desenvolver este amor com generosidade para conosco nos auxilia a ter parâmetros mais claros sobre tudo que nos faz bem ou nos prejudica. Ter essa relação mais amorosa conosco nos ajuda a qualificar melhor nossos vínculos e vivências”, diz Aline Melo.

2. Buscar e fortalecer suas qualidades

 “Diferentemente do que muitos pensam, o amor-próprio e a autoestima não estão conectados apenas a situação de auto aceitar-se a nível de aparência ou atitudes, mas sim uma conexão mais profunda consigo, com suas habilidades e particularidades”, frisa.

Por isso, é importante identificar em si o que você executa bem, quais são suas conquistas, desde as menores até as mais significativas.

3. Observar suas relações

Busque focar em vínculos que te façam bem e tragam uma sensação positiva. A especialista conta que as relações podem tanto ajudar quanto destruir o amor-próprio, dependendo da qualidade do vínculo.

“Se for um relacionamento amistoso ao qual potencialidades e qualidades são estimuladas e reforçadas e que os problemas advindos são resolvidos com carinho e acolhimento, o amor-próprio e a segurança podem se desenvolver ainda mais”, comenta.

4. Cuidar da sua casa/ do seu espaço de trabalho/ do seu quarto

Estabelecer um cuidado para com seus ambientes também produzem uma sensação positiva e de cuidado com você.

5. Evitar a autocobrança

Tente diminuir diariamente a cobrança excessiva que muitas vezes estabelecemos conosco. Amor-próprio está associado à maneira como a pessoa se relaciona consigo mesma, o respeito, o cuidado, o carinho e a atenção que destina a si própria.

Segundo a psicóloga, essas práticas, quando cultivadas, ajudam a combater problemas decorrentes da baixa autoestima que tanto afetam as relações.

No entanto, quando a pessoa identifica uma dificuldade de criar essa conexão consigo mesmo e com o outro, o recomendado é buscar o acompanhamento psicológico, sobretudo quando há um sofrimento emocional.

Ela explica ainda que, embora sejamos levados a acreditar que o amor está na relação com o outro, é muito difícil desenvolver um vínculo saudável com alguém quando não se buscou isso primeiramente dentro de si.

O parceiro pode ajudar nesse processo, mas depositar no outro a busca por um fortalecimento emocional que você ainda não conseguiu estabelecer sozinho tem grandes chances de gerar uma frustração”, finaliza.

 

Entre com seu email para receber as atualizações:

Desenvolvimento FeedBurner

 

Autor Julianna Santos

Relações Públicas, atuante em assessoria de imprensa e gestão de conteúdo para internet. Pós graduada em Educação Sexual pelo ISEXP – Instituto Brasileiro de Sexualidade e Medicina Psicossomática da Faculdade de Medicina do ABC, atendeu a várias empresas e profissionais do ramo erótico de 2002 até atualidade, estando inclusive a frente da sala de imprensa da Erótika Fair de 2002 a 2010. Também é certificada em Inbound Marketing pelo HubSopt Academy.

LEIA TAMBÉM

sexo dor de cabeça

Acabou a desculpa: sexo alivia a dor de cabeça

O sexo é como aspirina: bom para o coração, para doenças musculares … E para …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *