amor-proprio

Como ter mais amor-próprio no relacionamento (e fora dele)

Quando o indivíduo aprende a amar a si próprio, aumentam suas chances de construir relacionamentos mais saudáveis

Se amar e aprender a se colocar em primeiro lugar é fundamental para estar bem consigo e com o(a) parceiro(a).

Mas como fazer isso? A psicóloga do Grupo São Cristóvão Saúde, Aline Melo, revela que parar de focar em agradar os outros é um dos pontos-chave no desenvolvimento do amor-próprio.

“Ao contrário do que muitos pensam, o amor-próprio não é um egoísmo, a pessoa que se ama trata os outros com mais amor também e possui vínculos mais saudáveis”, frisa.

O amor-próprio, segundo ela, é essencial para a construção de relacionamentos saudáveis. “Normalmente, quando pensamos em amor, é comum associarmos este sentimento ao outro. Porém, é necessário refletir como o amor está sendo projetado a nós e por nós”, explica.

É isso que permitirá uma conexão mais madura, com mais respeito consigo e com o outro. A psicóloga alega que, ao fortalecer o amor-próprio, a pessoa terá mais condições de reconhecer suas carências e inseguranças, evitando projetá-las no parceiro.

Como a falta de amor-próprio afeta sua vida e o seu relacionamento

Sintomas como dificuldade de autoaceitação (tanto em relação à imagem quanto a sua forma de ser), baixa segurança, dificuldades em reconhecer suas qualidades e potencialidades, autocobrança, culpa excessiva, medos acentuados e busca de estímulos reforçadores constantes advindos de outras pessoas em forma de elogios, por exemplo, são indicativos de que a autoestima precisa ser trabalhada.

Seus efeitos, e consequente falta de amor-próprio, tão nocivos para uma pessoa, podem ser ainda mais devastadores quando entra em jogo um relacionamento amoroso.

De acordo com a especialista, não ter o amor-próprio bem desenvolvido pode fazer uma pessoa permanecer em relações que a agridem emocionalmente, pois como não tem o amor por si desenvolvido, não consegue identificar aspectos que dão subsídios para se proteger, e até mesmo se esquivar, de situações como esta.

Além disso, conforme fala a psicóloga, uma pessoa sem amor-próprio também se relaciona de maneira menos saudável com o outro.

“Nesse caso, é possível que haja situações de maior carência emocional, ciúmes, projeções e exigências ao qual o outro não poderá suprir, pois pode haver o desejo de que o amor que não consigo dar a mim eu busque no outro ou exija do outro, mesmo não sendo essa a função do parceiro em nossa vida”, salienta.

Para ajudar nesse processo de autoconhecimento e desenvolvimento do amor-próprio, a especialista dá 5 dicas importantes:

1. Trabalhar o autoconhecimento  

Analise diariamente seus gostos, suas atitudes, coisas que te fazem bem, te trazem prazer e coisas ao qual você não gosta ou não se identifica. Estabeleça um caminho de dedicação em reconhecer quem você é.

“Prestar atenção nesses aspectos e desenvolver este amor com generosidade para conosco nos auxilia a ter parâmetros mais claros sobre tudo que nos faz bem ou nos prejudica. Ter essa relação mais amorosa conosco nos ajuda a qualificar melhor nossos vínculos e vivências”, diz Aline Melo.

2. Buscar e fortalecer suas qualidades

 “Diferentemente do que muitos pensam, o amor-próprio e a autoestima não estão conectados apenas a situação de auto aceitar-se a nível de aparência ou atitudes, mas sim uma conexão mais profunda consigo, com suas habilidades e particularidades”, frisa.

Por isso, é importante identificar em si o que você executa bem, quais são suas conquistas, desde as menores até as mais significativas.

3. Observar suas relações

Busque focar em vínculos que te façam bem e tragam uma sensação positiva. A especialista conta que as relações podem tanto ajudar quanto destruir o amor-próprio, dependendo da qualidade do vínculo.

“Se for um relacionamento amistoso ao qual potencialidades e qualidades são estimuladas e reforçadas e que os problemas advindos são resolvidos com carinho e acolhimento, o amor-próprio e a segurança podem se desenvolver ainda mais”, comenta.

4. Cuidar da sua casa/ do seu espaço de trabalho/ do seu quarto

Estabelecer um cuidado para com seus ambientes também produzem uma sensação positiva e de cuidado com você.

5. Evitar a autocobrança

Tente diminuir diariamente a cobrança excessiva que muitas vezes estabelecemos conosco. Amor-próprio está associado à maneira como a pessoa se relaciona consigo mesma, o respeito, o cuidado, o carinho e a atenção que destina a si própria.

Segundo a psicóloga, essas práticas, quando cultivadas, ajudam a combater problemas decorrentes da baixa autoestima que tanto afetam as relações.

No entanto, quando a pessoa identifica uma dificuldade de criar essa conexão consigo mesmo e com o outro, o recomendado é buscar o acompanhamento psicológico, sobretudo quando há um sofrimento emocional.

Ela explica ainda que, embora sejamos levados a acreditar que o amor está na relação com o outro, é muito difícil desenvolver um vínculo saudável com alguém quando não se buscou isso primeiramente dentro de si.

O parceiro pode ajudar nesse processo, mas depositar no outro a busca por um fortalecimento emocional que você ainda não conseguiu estabelecer sozinho tem grandes chances de gerar uma frustração”, finaliza.

 

Entre com seu email para receber as atualizações:

Desenvolvimento FeedBurner

 

Autor Julianna Santos

Relações Públicas, atuante em assessoria de imprensa e gestão de conteúdo para internet. Pós graduada em Educação Sexual pelo ISEXP – Instituto Brasileiro de Sexualidade e Medicina Psicossomática da Faculdade de Medicina do ABC, atendeu a várias empresas e profissionais do ramo erótico de 2002 até atualidade, estando inclusive a frente da sala de imprensa da Erótika Fair de 2002 a 2010. Também é certificada em Inbound Marketing pelo HubSopt Academy.

LEIA TAMBÉM

sindrome-da-boazinha

Síndrome da Boazinha: quando a necessidade de agradar o outro se torna um problema

Você se considera boazinha demais? Está sempre em busca da aprovação do outro? Acha que as pessoas podem estar se aproveitando de você, em função do seu  jeitinho? Tem dificuldade de dizer não, mesmo que não tenha tempo ou interesse em atender determinadas solicitações? Se você respondeu sim para estas perguntas, certamente sofre com a “Síndrome da Boazinha”. Este é um padrão de comportamento compulsivo e não um transtorno psiquiátrico, como explica Filipe Colombini, psicólogo e CEO da Equipe AT.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verified by ExactMetrics