brinquedo-erotico-usado

Você usaria um sextoy usado por outra pessoa?

Com o crescente interesse por sextoys, e a tendência do sexo casual, hoje em dia pode ser fácil surgir essa possibilidade de o seu par propor o uso de um sextoy de sua coleção particular que já pode ter sido utilizado em relações anteriores. Fica aí a saia justa: como usar um sextoy usado por outra pessoa?

O constragimento muitas vezes não passa só pela higiene em si, mas a “carga emocional” que muitas pessoas podem carregar nessas situações. Por mais que seja um encontro casual, faz parte do momento, para a maioria das pessoas, se sentirem especiais e exclusivas.

Pode até ser que abram mão desse “detalhe” para viver essa aventura e não cortar o clima. Porém há alguns riscos para a saúde íntima nesses casos que precisam ser considerados.

“O uso de brinquedos eróticos impuros pode potencialmente introduzir bactérias indesejadas ou outros patógenos – como fungos – no ambiente vulvar-vaginal que pode levar ao crescimento excessivo de bactérias desenvolvendo um quadro de vaginose bacteriana ou causar uma infecção do trato urinário”, ensina a sexóloga Amanda Morgan, que estuda o corpo e materiais de brinquedos erótico seguros, em entrevista para o New York Times.

Alguns brinquedos eróticos são feitos de materiais como elastômero termoplástico (TPE) ou PVC. Esses materiais são porosos, portanto, possuem orifícios ou poros imperceptíveis a olho nú que podem prender bactérias, mesmo se limpos adequadamente. 

É por isso que os especialistas sugerem usar brinquedos usados ​​feitos de materiais não porosos como os que são revestidos de silicone de grau médico, ou mesmo feitos de vidro de borosilicato e aço de grau médico. 

Para fazer a limpeza profunda de brinquedos não porosos, verifique primeiro se o brinquedo possui um elemento motorizado, como um vibrador. Se isso acontecer, você terá que limpá-lo à mão.

Se você puder remover o motor ou se ele não tiver um, fervê-lo em água no fogão é o caminho a seguir, de acordo com Robert Huizenga, autor de “Sex, Lies & STDs: The Must Read Before You Swipe Right “ , que falou com a revista Allure . Segundo o especialista, esse método é ideal para brinquedos de vidro e aço e leva cerca de três minutos.

Para brinquedos motorizados, como vibradores, limpe a superfície com um toalha limpa umida com água morna e sabão antibacteriano neutro por um a três minutos até que a superfície pareça limpa. Em seguida, deixe secar ao ar naturalmente. Você também pode usar um limpador feito para esse fim.

Caso queira saber mais sobre a higienização de sextoys, Paula Aguiar tem um ebook dedicado a esse assunto que você pode baixar por aqui.

E mesmo limpos os sextoys ainda podem transmitir IST’s

Um pequeno estudo de 2014 descobriu que o papilomavírus humano (HPV)  pode permanecer em sextoys que são inseridos vaginalmente, mesmo depois de limpos.

Os pesquisadores usaram um limpador de sextoys em vibradores feitos de TPE (um material poroso) ou silicone (um material não poroso) depois que 12 mulheres com HPV os usaram. Eles descobriram que , mesmo após a limpeza, 44% dos brinquedos sexuais de silicone e 56% dos brinquedos de TPE apresentavam vestígios de HPV.

Mas depois que os pesquisadores deixaram os brinquedos sexuais limpos por 24 horas, eles os testaram novamente e não encontraram vestígios de HPV nos de silicone, enquanto 40% dos vibradores TPE ainda apresentavam vestígios da DST. 

Embora os melhores sextoys do mercado sejam caros, o mais seguro a fazer é não compartilhar o uso em relações casuais. Uma solução sempre mais simples é usar sextoys com preservativos, garantindo assim uma experiência mais segura e higiênica.

A princípio essa ideia pode não ser a mais sensual, mas em um pesquisa rápida na internet você irá perceber que hoje, o próprio preservativo se tornou um sextoy, já que atualmente são disponibilizados no mercado em vários aromas, cores, texturas, espessuras e até sabores, o que poderá somar nessa experiência para que ela se torne ainda mais excitante.

Outra possibilidade é investir em um acessório novo para começar ou mesmo viver histórias novas sem a carga emocional e bacteriana de outros relacionamentos. Tenha sempre com você os seus próprios sextoys de uso pessoal. Pense nisso. Sua saúde agradece.

Autor Julianna Santos

Relações Públicas, atuante em assessoria de imprensa e gestão de conteúdo para internet. Pós graduada em Educação Sexual pelo ISEXP – Instituto Brasileiro de Sexualidade e Medicina Psicossomática da Faculdade de Medicina do ABC, atendeu a várias empresas e profissionais do ramo erótico de 2002 até atualidade, estando inclusive a frente da sala de imprensa da Erótika Fair de 2002 a 2010. Também é certificada em Inbound Marketing pelo HubSopt Academy.

LEIA TAMBÉM

sexualidade-da-geracao-z

Decifrando a Geração Z: primeiro relatório global sobre a sexualidade dos zoomers

De acordo com a pesquisa, 59% dos membros da Geração Z desejam um relacionamento aberto ou poliamoroso, citando benefícios como "experiências de vida sexual e/ou romântica mais plenas" (65%), "mente aberta/aceitação em relação a diferentes formas de amor" (54%) e "ajudar as pessoas a se ficarem mais confortáveis em pedir o que desejam para maior satisfação" (46%). Veja mais aqui.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verified by ExactMetrics