vida sexual-quarentena

Sexólogos de todo país querem saber: como está sua vida sexual na quarentena?

Pesquisa irá durar 7 dias e começa hoje nas redes sociais de 30 sexólogos de todo país

Como está a sua sexualidade na quarentena? Agora você pode falar sobre isso para um grupo de sexólogos  no Instagram. Nada difícil: basta responder as enquetes de sim ou não nos stories dos profissionais participantes ( veja lista abaixo) nos próximos 7 dias e pronto, você já estará contribuindo para traçar um perfil da sexualidade do brasileiro na quarentena.

IMPORTANTE: seus dados de identificação não serão publicados. Os resultados serão tabulados em números e divulgados amplamente após o término da pesquisa.

“Conversando com algumas pessoas descobrimos que existem pessoas que se sentem sozinhas, outras com  novos vícios, outros com novos hábitos, mais sexo, menos sexo, mas também mais
agressões. Mas, mais quanto? De que números estamos falando!? É aí que entra você. Para fazermos a diferença nessa quarentena precisamos nos  unir, e você é o protagonista da nossa história” convida a sexóloga Alyne Meirelles, nossa colunista do Pergunte para o Especialista também participante da pesquisa.

https://www.instagram.com/p/B_Npo76F7SB/

Ela avisa que as perguntas abordam as principais áreas da vida humana e as mudanças sofridas pelo isolamentos social.

enquete-sexualidade-quarentena
Primeira pergunta da enquete de hoje

“Esses dados são muitos importantes, envie e compartilhe para o maior números  de pessoas. Só assim faremos a diferença na vida de quem precisa. Juntos somos mais fortes” explica com entusiasmo.

Você pode participar escolhendo um dos perfis abaixo:

@alynemeirelles
@thaisplazaoficial
@dhurgaterapias
@samaramarchiorisexologa
@crisarcuri
@delmaeusebio
@anacsilva.psicologa
@LSterapias
@paulamanadevi
@biancadhavala
@muitoprazernat
@carlageane
@andrei_marsiglia
@jordanamedley
@euthalitacesario
@virginia.pelles
@quetabueesse
@neusapandolfo
@giselecarneirosexcoach
@betaniafrutuoso
@claudia_marriel
@tarcichuvas
@doceatracaopvh
@psicologamarcialeal
@lelahmonteirooficial
@flavianebrandemberg
@euqueroup
@circulofeminino
@ericarambalde
@mirnazelioli
@lisiararochasexologa
@catiadamasceno
@Kamadev.arthur

Entre com seu email para receber as atualizações:

Desenvolvimento FeedBurner

 

Autor Julianna Santos

Relações Públicas, atuante em assessoria de imprensa e gestão de conteúdo para internet. Pós graduada em Educação Sexual pelo ISEXP – Instituto Brasileiro de Sexualidade e Medicina Psicossomática da Faculdade de Medicina do ABC, atendeu a várias empresas e profissionais do ramo erótico de 2002 até atualidade, estando inclusive a frente da sala de imprensa da Erótika Fair de 2002 a 2010. Também é certificada em Inbound Marketing pelo HubSopt Academy.

LEIA TAMBÉM

sindrome-da-boazinha

Síndrome da Boazinha: quando a necessidade de agradar o outro se torna um problema

Você se considera boazinha demais? Está sempre em busca da aprovação do outro? Acha que as pessoas podem estar se aproveitando de você, em função do seu  jeitinho? Tem dificuldade de dizer não, mesmo que não tenha tempo ou interesse em atender determinadas solicitações? Se você respondeu sim para estas perguntas, certamente sofre com a “Síndrome da Boazinha”. Este é um padrão de comportamento compulsivo e não um transtorno psiquiátrico, como explica Filipe Colombini, psicólogo e CEO da Equipe AT.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verified by ExactMetrics