relações afetivas

Relações afetivas: confira as que estão em alta

Tá meio perdidx na pista, depois de anos em um relacionamento monogâmico? Calma, que as terapeutas do Instituto do Casal te explicam direitinho outras modalidades de relações afetivas que estão em alta!

Se relacionar não é tão fácil como parece. Muitas pessoas estão abrindo os horizontes para experimentar relacionamentos que vão além do que conhecemos como relacionamento: monogâmico, sério ou fechado.

Mas, como definir esses relacionamentos? Como essas relações podem trazer benefícios à vida das pessoas?

Quando falamos de relacionamento sério, uma pesquisa do Instituto do Casal, organização que se dedica a pesquisas e educação em relacionamentos e sexualidade humana, diz que 59% dos casais em um relacionamento deste tipo acreditam que a confiança é o item mais importante quando falam de intimidade entre o casal.

Confiança é o segredo

Mas será que nesses relacionamentos mais diferentes a confiança também está em evidência?

De acordo com Marina Simas, psicóloga e sócia-diretora do Instituto do Casal, muitos desses relacionamentos abertos dão certo porque a cumplicidade e o consenso são levados em consideração.

“Na hora de optar por um relacionamento aberto ou em outros tipos de relacionamento como o poliamor, as pessoas envolvidas na relação conversam abertamente sobre seus desejos. E, com transparência, respeito e cumplicidade, definem o formato da relação. Nesse caso, a confiança não só reina, mas também é fundamental para que os relacionamentos dêem certo. Existe um jeito organizado de funcionar“, comenta Marina.

Para Denise Figueiredo, psicóloga e sócia-diretora do Instituto do Casal, com a quebra de tabus e paradigmas convencionais, muitas pessoas estão se abrindo para experiências tanto emocionais como sexuais, que antes ainda eram vistas como um ato “errado”.

“Todo tipo de definição de relação depende de muitos fatores, a começar pelas escolhas das pessoas ao definir o que cabe em suas vidas. Quando falamos de relacionamentos devemos levar em conta crenças, valores, desejos e avaliar cada caso com carinho”, exemplifica Denise.

Pensando no assunto, o Instituto do Casal, organização que se dedica a pesquisas e educação em relacionamentos e sexualidade humana, separou alguns tipos de relações que estão em alta entre as pessoas.

Monogâmico

A relação mais comum é a monogâmica, no qual um indivíduo tem apenas um parceiro durante todo o tempo de relacionamento.
 
Normalmente, há a confiança para que a relação afetiva e sexual seja feita somente entre o casal.

Relacionamento Aberto

O relacionamento aberto é um dos mais comuns. Nele, o casal tem liberdade para se relacionar sexualmente com outras pessoas, mas o relacionamento afetivo, de amor e casamento acontece somente na relação principal.
 
O diferencial é confiar no parceiro e manter sempre a relação com muita cumplicidade e com verdades. Todos os atos dessa relação costumam ser discutidos entre o casal principal.

Trisal

O chamado “Trisal” é uma relação que está ganhando abertura nos últimos tempos. Ao invés de ter um relacionamento fechado ou aberto, com duas pessoas como relação central, aqui consiste em três pessoas dentro do relacionamento. 

Nesse caso, esse Trisal pode definir se quer fechar ou abrir a relação, mas ainda assim trabalham com muita cumplicidade e confiança para que o trio dê certo.

Para Matheus Maia, empresário de 34 anos, que vive um relacionamento a três, ninguém planeja se envolver dessa forma. Mas no caso dele o processo acabou acontecendo naturalmente.

“O interessante dessa relação é que nós três temos um comprometimento igual, sem ciúmes entre as partes. Fluiu naturalmente e a confiança é muito importante nesse processo. Não existe competição entre a gente e isso faz toda a diferença para que dê certo. Acredito que não muda muito se comparado com uma relação a dois“, explica.

Poliamor

O poliamor é diferente do relacionamento aberto na questão afetiva. A pessoa é livre para amar emocionalmente e sexualmente outras pessoas, além da pessoa que ela já estava se relacionando.
 
Nesse contexto, o jogo aberto também é primordial para que a relação entre essas pessoas seja satisfatória.

Flexissexuais

Nesse tipo de relacionamento a questão do gênero faz parte. Nessa relação a pessoa mantém uma relação afetiva e sexual com pessoas que independem do sexo.
 
Esse tipo de relacionamento é completamente aberto e não tem uma pessoa fixa, necessariamente.

Swingers

Os casais swingers são aqueles que aceitam que o outro tenha encontros sexuais com terceiros em espaços chamados de Casas de Swings.
 
Podemos chamar a prática de uma definição da relação e não classifica-la como um relacionamento. Diferente das demais, há uma relação central com uma pessoa, mas sem fidelidade sexual.
 
Normalmente os casais que estão no relacionamento frequentam casas de Swing juntos e é sob sigilo.

Sobre o Instituto do Casal

Há três anos, o Instituto do Casal (IC) se dedica a pesquisas e educação em relacionamentos e sexualidade humana. Fundado pelas psicólogas Denise Figueiredo e Marina Simas, a organização visa proporcionar autoconhecimento e terapias para casais. Além de atuar na consultoria de profissionais da área de saúde e educação que procuram ampliar e se aprofundar nos temas relacionados à qualidade dos relacionamentos afetivos e sexuais. Saiba mais em www.institutodocasal.com.br
 
Entre com seu email para receber as atualizações:

Desenvolvimento FeedBurner

 

Autor Julianna Santos

Relações Públicas, atuante em assessoria de imprensa e gestão de conteúdo para internet. Pós graduada em Educação Sexual pelo ISEXP – Instituto Brasileiro de Sexualidade e Medicina Psicossomática da Faculdade de Medicina do ABC, atendeu a várias empresas e profissionais do ramo erótico de 2002 até atualidade, estando inclusive a frente da sala de imprensa da Erótika Fair de 2002 a 2010. Também é certificada em Inbound Marketing pelo HubSopt Academy.

LEIA TAMBÉM

alimentos-candidiase

Alimentos para evitar quando está com Candidíase

A candidíase é provocada pelo fungo Candida albicans, e pode causar coceira, corrimento branco grumoso, ardor local e para urinar, dor durante as relações sexuais e vermelhidão. Por Erica Mantelli*

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *