Qual a diferença entre Podolatria e Podologia?

Muitas pessoas leigas às vezes trocam os termos em ficam em maus lençóis seja qual for a situação. Veja as diferenças entre esses dois termos e como eles se cruzam na prática.

A Podolatria é um fetiche que consiste em sentir atração e prazer pelos pés. Tema que sempre gerou polêmica e curiosidade, esse fetiche é mais comum do que se imagina. De acordo com um estudo realizado pela Sociedade Internacional de Estudos da Sexualidade Humana, a podolatria é um dos fetiches mais comuns, com mais de um terço dos homens admitindo ter uma preferência pelos pés femininos.

Para um podólatra, às vezes os sapatos e sandálias, coturnos, botas, meias podem até chamar mais atenção do que os próprios pés. Para outros, os pés são o objeto principal de desejo. Existem várias preferências que vão desde pés pequenos, pés grandes, pés “gordinhos” ou magros, formato dos dedos, formato da curva dos pés, formato das unhas, unhas naturais, pés com meias, pés perfumados, e até pés com mau cheiro. Assim como há pessoas que se encantam igualmente tanto pés como os calçados.

A podolatria tem uma longa história e foi documentada em várias culturas antigas, incluindo a chinesa, japonesa, egípcia, grega e romana. Na cultura chinesa, por exemplo, os pés das mulheres eram considerados altamente eróticos e, por isso, eram frequentemente vendidos para torná-los menores e mais atraentes.

Embora a podolatria seja frequentemente associada ao universo BDSM (Bondage, Dominação, Sadismo e Masoquismo), não é necessariamente uma prática BDSM. A podolatria pode ser criada em diferentes contextos, como preliminares sexuais ou como um ato sexual em si. Pode ser experimentado por meio de massagens nos pés, carícias, beijos, lambidas ou até mesmo mordidas leves.

O fetiche por pés está relacionado com a mente, ou seja, é muito visual e por isso a aparência dos pés é muito importante: unhas feitas e pintadas, pés macios, sem calos ou calosidades, sem manchas ou imperfeições – diz a Dra. Marta Botelho, especialista em Podologia, Reflexologia e Saúde dos Pés.

Podologia, a ciência que estuda e trata a saúde dos pés

A Dra Marta Botelho nos explica que a podologia é a ciência que estuda os pés e busca prevenir, tratar e recuperar doenças relacionadas a essa região do corpo, como micoses e unhas encravadas, além de orientar os pacientes a manterem seus pés saudáveis e prevenir problemas futuros.

Ou seja, a podologia pode ajudar muito quem tem fetiche em pés, pois o cuidado é essencial para mantê-los saudáveis e bonitos, além de evitar possíveis problemas – explica a especialista.

A pessoa que tem joanete, problemas com unha encravada, ou que deseja modelar a unha ou deixa-la mais saudável, ou ainda se a pessoa sofre com problema de bromidrose (chulé), pode e deve procurar a ajuda de um podólogo profissional para tornar seus pés mais saudáveis, além de super atraentes para você e seu parceiro.

E para os Podólatras, é muito interessante todo esse cuidado, para que você tenha mais prazer com os seus pés ou possa dar esse prazer para a outra pessoa – Finaliza a Dra. Marta Botelho.

Autor Julianna Santos

Relações Públicas, atuante em assessoria de imprensa e gestão de conteúdo para internet. Pós graduada em Educação Sexual pelo ISEXP – Instituto Brasileiro de Sexualidade e Medicina Psicossomática da Faculdade de Medicina do ABC, atendeu a várias empresas e profissionais do ramo erótico de 2002 até atualidade, estando inclusive a frente da sala de imprensa da Erótika Fair de 2002 a 2010. Também é certificada em Inbound Marketing pelo HubSopt Academy.

LEIA TAMBÉM

sindrome-da-boazinha

Síndrome da Boazinha: quando a necessidade de agradar o outro se torna um problema

Você se considera boazinha demais? Está sempre em busca da aprovação do outro? Acha que as pessoas podem estar se aproveitando de você, em função do seu  jeitinho? Tem dificuldade de dizer não, mesmo que não tenha tempo ou interesse em atender determinadas solicitações? Se você respondeu sim para estas perguntas, certamente sofre com a “Síndrome da Boazinha”. Este é um padrão de comportamento compulsivo e não um transtorno psiquiátrico, como explica Filipe Colombini, psicólogo e CEO da Equipe AT.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verified by ExactMetrics