Inicio >> Hot News >> Implante subcutâneo: principais dúvidas sobre o método contraceptivo
implante-subcutaneo-anticoncepcional

Implante subcutâneo: principais dúvidas sobre o método contraceptivo

O  implante subcutâneo é considerado um  método contraceptivo reversível de longa duração (LARC, sigla em inglês para Long-Acting Reversible Contraception). É uma opção segura  para evitar a gravidez por um período de tempo prolongado, sem a necessidade da intervenção diária da paciente e sem prejudicar a fertilidade no futuro. 

Para escolher um método anticoncepcional, seja ele de curta ou longa ação, procure sempre conversar com seu médico para ele avaliar seu perfil, entender as suas expectativas e mostrar as vantagens e desvantagens de cada opção. Conheça agora o implante subcutâneo e tire suas dúvidas.

  1. O que é o implante subcutâneo?

O implante é um bastonete flexível de 4 cm de comprimento, colocado no braço da mulher. Contém em sua composição o hormônio etonogestrel, que é liberado gradualmente no organismo por até três anos, com a função de inibir a ovulação e, assim, impedir a gravidez.

  1. Como funciona o implante subcutâneo?

O etonogestrel, hormônio contido nesse método, é liberado gradualmente no organismo, com a função de inibir a ovulação, garantindo a contracepção e impedindo a gravidez.

  1. Onde é colocado o implante subcutâneo?

O implante é inserido no braço não dominante, embaixo da pele, com anestesia local. O procedimento é simples, rápido e costuma ser realizado no consultório médico.

  1. Quais as vantagens do implante subcutâneo?

Métodos contraceptivos que dependem da disciplina da mulher, como a pílula, são mais propensos ao uso incorreto ou à falta de adesão, o que pode resultar em falha e consequentemente em uma gravidez não planejada.

Já o implante é à prova de esquecimento, pois não depende da lembrança diária da usuária.

Apenas cinco a cada 10.000 mulheres engravidarão em um ano usando o implante subcutâneo, enquanto a laqueadura tubária, por exemplo, tem a estimativa de cinco falhas em cada 1.000 mulheres.

Além disso, o método têm baixa dosagem hormonal e proporciona rápido retorno à fertilidade preexistente.

  1. Quem pode usar o implante subcutâneo?

A princípio, todas as mulheres que desejam utilizá-lo. Há poucas situações em que os implantes subcutâneos são contraindicados, por isso há necessidade de avaliação médica.

A escolha do melhor método para cada mulher deve ser feita sob orientação médica, após informação sobre todos anticoncepcionais, discussão sobre seus benefícios, riscos com avaliação das suas necessidades e preferências.

Por não terem estrogênio, geralmente, os implantes podem ser usados por mulheres que estão amamentando ou por aquelas que têm contraindicação para o uso do estrogênio.

  1. A mulher para de menstruar depois de colocar um implante subcutâneo?

Os métodos que contêm hormônio podem causar alteração no sangramento, produzindo inicialmente um sangramento irregular com uma tendência a diminuição.

Após 4-6 meses, algumas mulheres podem apresentar redução ou ficar sem sangrar, outras podem permanecer menstruando normalmente, e em alguns poucos casos, ter pequenos sangramentos prolongados (mancha na calcinha).

No entanto, isso não afeta a eficácia do método ou gera qualquer risco para a saúde.

  1. Quais os efeitos colaterais do implante subcutâneo?

Como todos os medicamentos, o implante pode causar efeitos secundários, embora estes não se manifestem em todas as pessoas.

Durante a utilização do implante, a hemorragia menstrual pode surgir em intervalos irregulares, mas isso não é um sinal de que a proteção contraceptiva está diminuída.

De uma forma geral, não necessita de tomar qualquer medida. Contudo, se a hemorragia for abundante ou prolongada, consulte o seu médico.

  1. Há problemas para engravidar, após a remoção do implante subcutâneo?

Não. A recuperação da fertilidade ocorre em seguida à retirada do implante, permitindo que a mulher engravide após a próxima menstruação caso não haja fatores clínicos precedentes que dificultem a concepção.

É importante lembrar que a camisinha é o único método que previne as doenças sexualmente transmissíveis.

Autor Julianna Santos

Relações Públicas, atuante em assessoria de imprensa e gestão de conteúdo para internet. Pós graduada em Educação Sexual pelo ISEXP – Instituto Brasileiro de Sexualidade e Medicina Psicossomática da Faculdade de Medicina do ABC, atendeu a várias empresas e profissionais do ramo erótico de 2002 até atualidade, estando inclusive a frente da sala de imprensa da Erótika Fair de 2002 a 2010. Também é certificada em Inbound Marketing pelo HubSopt Academy.

LEIA TAMBÉM

“Bixa Travesty”com Linn da Quebrada estreia no Canal Brasil

“Bixa Travesty”, premiada coprodução do Canal Brasil, estreia na grade do canal no sábado, dia …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *