pesquisa-heteros-que-transam-com-alguém-do-mesmo-sexo

É hetero, mas transa com alguém do mesmo sexo, como assim?

O estudo “Estudantes universitários heterossexuais que se relacionam com parceiros do mesmo sexo”, de autoria de Arielle Kuperberg e Alicia M. Walker, publicado no Archives of Sexual Behavior, revelou inclusive as várias razões para esse comportamento.

 

As pesquisadoras examinaram o conjunto de dados da Pesquisa de Vida Social da Faculdade Online, que incluiu mais de 24.000 estudantes de graduação que freqüentavam 22 faculdades e universidades americanas. A pesquisa pediu aos participantes para relatar seus relacionamentos mais recentes, juntamente com uma variedade de outras questões.

Os estudantes relataram 383 conexões homem-homem e 312 conexões mulher-mulher. Os estudantes do sexo masculino que se identificaram como heterossexuais foram responsáveis ​​por 12% das conexões gays, enquanto os estudantes do sexo feminino que se identificaram como heterossexuais responderam por 25% das conexões lésbicas.

As descobertas revelam que “um número significativo de pessoas que se relacionam com parceiros do mesmo sexo se identificam como heterossexuais”, disse Kuperberg ao site PsyPost.

As pesquisadoras também descobriram que havia tipos distintos de estudantes heterossexualmente identificados que tiveram sua última relação com um parceiro do mesmo sexo.

Experiência homossexual

O maior grupo entre esses estudantes, cerca de 60%  se envolveram em uma experiência homossexual.

“Alguns desses alunos descobriram que não gostaram do encontro ou que gostaram, mas que não queriam mais nada com esse parceiro. Eles descrevem isso como “experimentação universitária”, mas essa experiência pode não ter implicações de longo prazo para sua orientação sexual “, explicou Kuperberg.

“Outros gostaram e queriam algo mais. Esses alunos podem estar nos estágios iniciais de formação de uma identidade não heterossexual, mas podem precisar de mais experiência antes de se sentirem à vontade para identificar uma orientação sexual diferente ”.

Bissexualidade Perfomativa

Cerca de 12% eram mulheres envolvidas no que é chamado de ‘bissexualidade performativa’, ou seja estão ficando com outras mulheres apenas para atrair homens.

Orientação Sexual X Religiosidade

Um pouco menos de 1/3 dos estudantes que se ligavam a parceiros do mesmo sexo e que foram identificados como heterossexuais, também eram religiosos.

Dessa parcela, 1/4 dos estudantes exibiram “homofobia internalizada” com fortes sentimentos contra a homossexualidade e tendiam a ter visões políticas e sociais conservadoras.

O restante não tinha sentimentos fortes contra a homossexualidade, mas tinha taxas muito altas de freqüência à igreja. Eles podem estar mantendo uma identidade heterossexual para evitar conflitos sociais.

O estudo, como todas as pesquisas, tem algumas limitações.

“Nossos dados capturaram apenas um ponto no tempo e se concentraram apenas no relacionamento mais recente do estudante universitário. Pesquisas futuras que acompanham os alunos ao longo do tempo podem examinar como as identidades podem mudar ao longo do tempo em resposta a certas experiências ”, disse Kuperberg.

As autoras do estudo reforçam que as pesquisas sobre identidade sexual fora da faculdade ou entre adultos mais velhos também é importante. Além disso, essa pesquisa também não deve ser interpretada como sugerindo que todos os heterossexuais auto-identificados que se envolveram em algum comportamento do mesmo sexo estão em negação sobre sua real orientação sexual.

“Nossa pesquisa mostra que a identidade sexual e o comportamento sexual nem sempre combinam. Ter uma relação sexual com alguém do mesmo sexo pode não necessariamente ter implicações para a orientação sexual”, finaliza a pesquisadora.

Entre com seu email para receber as atualizações:

Desenvolvimento FeedBurner

Autor Julianna Santos

Relações Públicas, atuante em assessoria de imprensa e gestão de conteúdo para internet. Pós graduada em Educação Sexual pelo ISEXP – Instituto Brasileiro de Sexualidade e Medicina Psicossomática da Faculdade de Medicina do ABC, atendeu a várias empresas e profissionais do ramo erótico de 2002 até atualidade, estando inclusive a frente da sala de imprensa da Erótika Fair de 2002 a 2010. Também é certificada em Inbound Marketing pelo HubSopt Academy.

LEIA TAMBÉM

como-fazer-uma-rapidinha

Como fazer uma rapidinha com sucesso?

Preferência de 94% dos usuários do Sexlog, maior rede social de sexo liberal da América Latina,a rapidinha pode ser boa, mas tem alguns truques.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *