camiseta-de-time-não-e-boa-pra-namorar

Camisetas de times não são adequadas para encontros amorosos

Pesquisa mostra também que mais de 80% das pessoas acreditam que o item é apropriado para eventos esportivos, casuais ou informais

Ter um primeiro encontro com a pessoa desejada é um ‘golaço’ e tanto. Mas será que a camiseta do time favorito tem espaço durante a paquera? Segundo uma pesquisa do aplicativo de relacionamento Happn, apenas 3% dos usuários consideram as camisetas de time adequadas para dates.

No mês dos Namorados, Rafael Flumingnamconsultor em imagem e estilo, explica que o momento certo para usar este tipo de vestimenta é em dia de jogo ou em um ambiente informal. “Usar camiseta de time não é nem falta e nem gol, é impedimento. Nesse contexto, a ocasião exige um look apropriado, levando em conta também o local do encontro, principalmente à noite. Se não for em um estádio de futebol ou outro evento esportivo, não faz sentido usar a camiseta do seu time de coração”, afirma.

Para ele, a melhor opção em momentos mais românticos e de conquista é optar por peças neutras.

Neste aspecto, a pesquisa confirma o que diz Flumingnam, já que mais de 80% das pessoas, de ambos os gêneros, concordam que essa tendência é mais apropriada para eventos esportivos, casuais e ambientes informais.

Mas sempre há aquela pessoa mais radical, que não larga a mão nem quando o time perde. De acordo com o especialista, a solução é utilizar uma terceira peça, que já é tendência no mundo todo. “Neste caso, utilizar uma terceira peça por cima, com base no estilo de cada um, pode ser uma boa alternativa. Alguém mais elegante, opta por usar um blazer. Alguém mais casual, uma jaqueta”, aconselha ele.

Pensar em outras maneiras para aproveitar o look vai muito além da moda, envolve também cautela e segurança. “Vale lembrar que o brasileiro é apaixonado por futebol e, às vezes, com os ânimos aflorados, a pessoa pode se colocar em situações delicadas por estar com uma camiseta de time. Ao menor sinal de confusão, é possível fechar a terceira peça e evitar maiores transtornos”, revela o especialista.

Estilo

No mundo da moda, o placar para a camiseta de time não é só 0 a 0. Nos últimos anos, o blokecore, a tendência que mescla streetwear com moda esportiva, tem ganhado destaque na web.

Nas redes sociais, ídolos do pop coreano têm tomado conta das telinhas com camisetas de times europeus durante sessões de fotos e apresentações. No último Paris Fashion Week, a modelo Alessandra Ambrósio foi ao evento vestindo uma camiseta do Grêmio, time gaúcho, em uma campanha milionária ao lado da equipe. E um exemplo claro no audiovisual, é o estilo da personagem da atriz americana Zendaya, durante as principais cenas do filme ‘Rivais (2024)’.

Para Rafael, essa evidência no estilo envolve muito marketing para “viralização” de conteúdo, mas não é o ideal para encontros amorosos ou de trabalho. “Os fashionistas buscam construir looks com essa tendência para causar impacto, mas é bom lembrar que a vida real pode não ser tão glamurosa quando a gente vê nas redes sociais”, enfatiza.

Flumingnam ainda pontua que a camiseta é como um uniforme. Assim como não se mistura uma vestimenta de trabalho com a vida social, não deve se misturar o uniforme do time do coração com situações que fogem do mundo do esporte.

Mas se você insiste…

Para o time dos que defendem o uso de camisas de futebol em qualquer ocasião, a Brahma quer mostrar que os looks com camisas de time podem romper barreiras até no mundo da moda. Para isso, a marca apresenta o site Alfaiataria Brahma, um ambiente interativo, onde o torcedor descobre como as cores e símbolos do seu clube podem se transformar em peças de roupa como blazers, vestidos e jaquetas.

Para participar, basta acessar a plataforma, indicar suas medidas corporais e o time do coração – são 12 opções de todo o Brasil. Com base nessas informações, a Alfaiataria Brahma fornece os moldes das peças com todas as instruções que o fã precisa para produzir os looks.

A inovação tem até um filme para inspirar os fãs de futebol que não abrem mão da camisetas do seu time:

Autor Julianna Santos

Relações Públicas, atuante em assessoria de imprensa e gestão de conteúdo para internet. Pós graduada em Educação Sexual pelo ISEXP – Instituto Brasileiro de Sexualidade e Medicina Psicossomática da Faculdade de Medicina do ABC, atendeu a várias empresas e profissionais do ramo erótico de 2002 até atualidade, estando inclusive a frente da sala de imprensa da Erótika Fair de 2002 a 2010. Também é certificada em Inbound Marketing pelo HubSopt Academy.

LEIA TAMBÉM

como-comecar-revender-produtos-de-sex-shop

Como Iniciar um Negócio de Revenda de Produtos de Sex Shop

Em parceria com a Gall Sex Shop, líder no mercado de distribuição atacadista no Brasil, formulamos um guia abrangente sobre como iniciar um negócio de revenda de produtos de sex shop, abordando desde a pesquisa inicial até a estratégia de marketing e gestão do negócio. Confira aqui.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verified by ExactMetrics