como-é-feita-amamografia

Dia Nacional da Mamografia: 7 mitos e verdades sobre o exame

Muitas mulheres ainda têm dúvidas sobre a mamografia, o que contribui para a falta de adesão ao acompanhamento médico

Com o objetivo de reforçar a importância da realização do exame de mamografia, principal meio de prevenção do câncer de mama, foi instituído por Lei no país, o Dia Nacional da Mamografia, celebrado anualmente em 5 de fevereiro.

Segundo a Sociedade Brasileira de Mastologia (SBM), 40% das brasileiras não realizam o exame há mais de três anos. O dado é preocupante, já que, de acordo com o Instituto Nacional de Câncer (INCA), no Brasil, o câncer de mama é o tipo mais incidente em mulheres de todas as regiões, após o câncer de pele não melanoma. Estima-se que em 2023, o câncer de mama apresente mais de 73 mil novos casos, de acordo com o Inca.

Com a redução de mais de dois milhões de exames observada entre 2020 e 2021, de acordo com dados do Instituto Nacional de Câncer (Inca), a data ganha ainda mais relevância, já que busca conscientizar e chamar a atenção da população para a importância do exame na detecção de alterações nas mamas.

Estudos da Associação Americana de Câncer mostram que, se descoberto no início, o câncer de mama tem chances de cura de até 98%. Esse índice cai para até 50% se a neoplasia estiver em um estágio mais avançado.

Daí a importância de fazer a mamografia, o exame de rastreio por imagem que tem a finalidade de estudar o tecido mamário, tendo a precisão de detectar um nódulo, mesmo que este ainda não seja palpável, e identificar lesões em estágios iniciais.

“Mesmo que a mamografia tenha sua importância comprovada para diagnósticos precoces e ajuda no combate ao câncer de mama em estados agressivos, muitas mulheres ainda têm dúvidas sobre o exame, fator que contribui para a falta de adesão ao acompanhamento médico”, afirma Carlos Moraes, ginecologista e obstetra pela Santa Casa/SP e membro da FEBRASGO.

Para desmistificar informações sobre a mamografia, o especialista cita os principais mitos e verdades acerca do exame:

A mamografia é o principal meio de diagnosticar a doença em fases iniciais

Verdade: O exame é o método mais eficaz para identificar lesões, nódulos, assimetrias e microcalcificações, que são pequenos depósitos de cálcio alojados no interior da mama e que podem representar o início da proliferação celular do câncer.

A mamografia deve ser feita anualmente, a partir dos 40 anos

Depende: O INCA indica que a mamografia deva ser feita a cada dois anos, a partir dos 50 anos, caso não seja encontrada nenhuma alteração. Já a Sociedade Brasileira de Mastologia defende que as mamografias comecem a partir dos 40 anos.

O câncer de mama é mais comum em mulheres a partir dos 50 anos. No entanto, pode atingir mulheres mais jovens. O rastreamento costuma ser iniciado a partir dos 40 anos, com a realização do exame de mamografia anual. Mas, para mulheres com histórico familiar, a mamografia pode ser realizada a partir dos 35 anos.

Mulheres sem histórico familiar da doença não precisam do exame de rotina

Mito: “Ainda que o câncer de mama não tenha acometido ninguém da família, não significa que você estará imune à doença. Grande parte das mulheres que desenvolvem o câncer de mama não apresentam histórico familiar”, alerta Carlos Moraes.

A radiação da mamografia pode fazer mal à mulher

Mito: O exame pode ser realizado normalmente, já que a radiação emitida é muito baixa, sendo insuficiente para causar danos a outros órgãos.

Quem faz autoexame diário das mamas não precisa tanto da mamografia

Mito: O autoexame tem como objetivo identificar qualquer alteração na região das mamas. Se houver, será preciso realizar a mamografia para uma avaliação detalhada.

“Entretanto, há nódulos que não são palpáveis, sendo descobertos apenas na mamografia”, pontua Carlos Moraes, que também é especialista em Perinatologia pelo Instituto de Ensino e Pesquisa do Hospital Albert Einstein, e em Infertilidade e Ultrassom em Ginecologia e Obstetrícia pela FEBRASGO, e médico nos hospitais Albert Einstein, São Luiz e Pro Matre.

As características da mama podem atrapalhar a mamografia

Verdade: Mamas gordurosas aparecem mais escuras no exame, sendo mais fáceis de identificar anormalidades. Já as mamas com muito tecido fibroglandular, cujo aspecto é mais branco e denso, criam uma dificuldade maior na detecção de um eventual câncer. Nestes casos, é preciso realizar também um ultrassom das mamas.

Prótese de silicone dificulta o exame

Depende: O silicone pode se sobrepor a lesões na mamografia, afetando os resultados. No entanto, há manobras durante o exame que permitem uma visualização quase que completa da mama, sem interferir o implante. Eventualmente, pode ser preciso aliar outros exames, como o ultrassom e até a ressonância magnética, que possibilitam uma melhor visualização.

Como é o exame de mamografia

O exame é realizado por um médico ou enfermeiro. Durante a mamografia, o seio é colocado entre as duas placas do mamógrafo, que comprimem as mamas e emitem raios X para produzir as imagens.

O processo pode ser desconfortável devido a compressão, e algumas mulheres podem sentir dor pontualmente, principalmente se estiverem no período menstrual.

A assessoria de imprensa do Hospital Bom Pastor, em Guajará-Mirim (RO) também lembra que mediante prescrição médica, a mamografia é oferecida gratuitamente pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

O Sistema engloba dois tipos de exame: a mamografia de rastreamento, indicada para mulheres de 50 a 69 anos, sem sinais e sintomas de câncer de mama, e a mamografia, indicada principalmente para avaliar alterações mamárias suspeitas em qualquer idade, independente do sexo.

“Vale lembrar que a mamografia deve ser realizada rotineiramente, com o objetivo de preservar a saúde da mulher. Muitas pacientes só marcam consulta quando já estão com os sintomas, correndo o risco desnecessário de não tratar a doença logo no início”, finaliza o ginecologista Carlos Moraes.

Autor Julianna Santos

Relações Públicas, atuante em assessoria de imprensa e gestão de conteúdo para internet. Pós graduada em Educação Sexual pelo ISEXP – Instituto Brasileiro de Sexualidade e Medicina Psicossomática da Faculdade de Medicina do ABC, atendeu a várias empresas e profissionais do ramo erótico de 2002 até atualidade, estando inclusive a frente da sala de imprensa da Erótika Fair de 2002 a 2010. Também é certificada em Inbound Marketing pelo HubSopt Academy.

LEIA TAMBÉM

brinquedos-sexuais-para-casais

Os Melhores Brinquedos Sexuais para Experimentar a Dois

A intimidade e a satisfação sexual são componentes essenciais de um relacionamento saudável e feliz. Explorar novas maneiras de incrementar a vida sexual pode não só fortalecer os laços entre parceiros, mas também trazer novas formas de prazer e diversão. Com a proximidade do Dia dos Namorados, decidimos preparar uma matéria especial, confira aqui.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verified by ExactMetrics