Como superar uma traição?

Você perdoaria uma traição? Já pensou sobre isso? Para o Instituto do Casalorganização que se dedica a pesquisas e educação em relacionamentos e sexualidade humana, os casais estão passíveis a essa questão. 

De acordo com Denise Figueiredo, psicóloga e sócia-diretora do Instituto do Casal, fazer terapia de casal pode ser uma oportunidade para fortalecer a relação e também para que a pessoa traída consiga perdoar e seguir em frente.

“O que vemos é que as vezes a pessoa perdoa a traição, mas ainda fica paranoica com cobranças que podem deixar a relação ainda mais complicada. Com a terapia de casal a gente ajuda a dar outro rumo à relação apesar da traição, enxergando principalmente os momentos felizes que ainda existem na vida conjugal”, explica.

Já Marina Simas, psicóloga e sócia-diretora do Instituto do Casal, comenta que a pessoa traída deve se lembrar que tem certas coisas em uma relação que são difíceis, mas não são problemas impossíveis de se resolver.

“Quando uma traição acontece temos que partir do princípio que não dá para voltar atrás. A partir daí uma nova relação vai ter que ser construída e o ideal é que o casal consiga superar de uma maneira saudável, fortalecendo vínculos, ampliando e melhorando o diálogo e focando em novos projetos conjuntamente.  Não existe fórmula mágica, mas existem maneiras de amenizar e seguir em frente”.

Como viver o processo de superação? O Instituto do Casal explica como esse processo pode ser mais tranquilo se houver reflexão e diálogo.

Escutar a si mesmo e mapear seus sentimentos.

Só a pessoa que passa por isso e conhece a relação que tem com o parceiro ou a parceira vai saber se é possível seguir em frente após essa quebra de confiança.

“É muito importante que essa decisão parta após uma análise interna de sentimentos. Muitas pessoas costumam dar palpites, mas somente quem vive a relação sabe o que é melhor pra si”, explica Denise.

Valorize os momentos positivos e de cumplicidade ao vivenciarem a relação.­­­

Os momentos a dois são fundamentais e nem sempre contemplam somente alegria. A felicidade existe nos pequenos momentos do dia a dia e, ao retomar um relacionamento após ser traído, vale a pena enxergar esses momentos de afinidade e oportunidades com outros olhos.

É no dia a dia do casal que a relação é retomada e esses pequenos momentos ajudam a reestabelecer o vínculo entre ambos.

Erros ou dificuldades podem gerar possibilidade de aprendizado. Opte pelo diálogo.

Quando a pessoa traída não consegue ressignificar a traição, ela passa a reviver essa situação todos os dias.

Lembrando do deslize, culpando o parceiro ou parceira ou até mesmo a si próprio. É preciso perdoar de maneira genuína e deixar essa história para trás. Para isso o diálogo diário é fundamental.

“O diálogo diário é importante em todos os relacionamentos afetivos. O ideal é que uma nova história seja construída após uma quebra de confiança. Isso exigirá muito, tanto da pessoa traída quanto da pessoa que traiu. Nesses casos, a terapia de casal ajuda bastante”, ressalta Marina.

Lembre-se: perdoar é uma escolha

É preciso entender que ao decidir perdoar a traição se trata de uma escolha individual, que está correlacionada com crenças, valores e história de vida. Ao escolher pelo perdão, ele deve ser genuíno para que o relacionamento volte a ter cumplicidade, mais amor e respeito.

O Instituto do Casal ainda afirma que é interessante pedir ajuda a pessoas que não estão tão envolvidas na relação do casal, até para não tomar atitudes precipitadas pela emoção.

“A sua relação pode ser muito mais do que uma traição e temos que levar em conta que as crises são inerentes às relações humanas”, diz Marina.

Vale ressaltar que a terapia de casal é um recurso apropriado para criar novos significados às crises e transformar cada problema em possíveis oportunidades de mudança.

 

Entre com seu email para receber as atualizações:

Desenvolvimento FeedBurner

 

Autor Julianna Santos

Relações Públicas, atuante em assessoria de imprensa e gestão de conteúdo para internet. Pós graduada em Educação Sexual pelo ISEXP – Instituto Brasileiro de Sexualidade e Medicina Psicossomática da Faculdade de Medicina do ABC, atendeu a várias empresas e profissionais do ramo erótico de 2002 até atualidade, estando inclusive a frente da sala de imprensa da Erótika Fair de 2002 a 2010. Também é certificada em Inbound Marketing pelo HubSopt Academy.

LEIA TAMBÉM

marlene-sexy-batalha-vibradores

Batalha de Vibros: Golfinho X Sugador

Aproveitando essa semana onde o clima de eleições está mais aceso, decidi fazer nessa coluna uma batalha entre os dois modelos de vibradores mais queridos do Brasil: o Vibrador Golfinho e o Sugador de Clítoris.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.