Atrofia Vaginal: condição que afeta a vida sexual das mulheres

Sintomas afetam majoritariamente mulheres na pós-menopausa e são pouquíssimo discutidos, evidenciando a urgência de mais atenção

A atrofia vaginal é uma condição que merece atenção e compreensão, pois impacta de maneira significativa a vida sexual das mulheres em diferentes estágios de suas vidas.

De acordo com um estudo recente conduzido pelo National Center for Biotechnology Information (NCBI), a atrofia vaginal é uma realidade comum para mulheres de todas as idades, mas é mais prevalente entre aquelas que passaram pela menopausa. 

Na pesquisa, foi observado que cerca de 15% das mulheres apresentam sintomas de atrofia vaginal antes da menopausa, enquanto entre 40% a 57% das mulheres na pós-menopausa experimentam os sintomas. A queda acentuada de 95% na produção de estrogênio, durante a menopausa, desempenha um papel crítico nesse processo.

Silêncio e barreiras na busca por tratamento

Surpreendentemente, mesmo diante da relevância desses números, aproximadamente 70% das mulheres que experimentam sintomas de atrofia vaginal evitam discutir o assunto com seus médicos. A vergonha e a falta de informação são frequentemente citadas como as principais razões para esse silêncio.

Além disso, crenças culturais, religiosas e sociais contribuem para essa relutância em buscar ajuda. Essa tendência tem como resultado o subdiagnóstico e o subtratamento dessa condição delicada, deixando muitas mulheres sem a assistência necessária.

Os dados apresentados pela Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo) trazem à tona um quadro preocupante quanto ao acesso a cuidados médicos essenciais. Milhões de brasileiras ainda não tiveram o acompanhamento de um ginecologista, sendo que outras milhões não consultam um há quatro anos ou mais, o que destaca a importância de conscientizar as mulheres sobre a necessidade de cuidados contínuos em saúde reprodutiva.

Impacto na vida sexual e a soluções

A atrofia vaginal não apenas traz desconforto físico, mas também afeta a vida sexual das mulheres em várias maneiras. Pesquisas revelam que 62% das mulheres com atrofia genital evitam a intimidade, 58% têm menos atividade sexual, 35% adiam ou evitam a relação sexual e 23% chegam a excluir o sexo de suas vidas, afetando a saúde emocional e os relacionamentos.

A psicoterapeuta holística Carla Maria Rezende Rodrigues, de 61 anos, procurou ajuda médica aos 58 anos após sentir intensas dores durante as relações sexuais. “Você se sente muito mal com o desconforto e a restrição que impõe nas relações íntimas e se sente anormal”, relembra.

Carla aconselha sobre a importância de buscar informações referentes ao tratamento, de ampliar o autoconhecimento e encontrar um profissional de confiança.  “Procurem conversar, se informar, não se sintam diferentes, incapazes ou infelizes por isso. É possível continuar nossas vidas sexualmente saudáveis e de modo mais pleno”.

Responsável pelo tratamento de Carla, Alexandra Ongaratto, médica ginecologista endócrina e Diretora Técnica do primeiro Centro Clínico Ginecológico do Brasil, o Instituto GRIS, explica que a Terapia Hormonal Local (THL), que utiliza estrogênio na forma de cremes ou anéis vaginais para restaurar os tecidos afetados, e Terapias Não Hormonais, como tratamentos a laser, estimulam a regeneração dos tecidos e são opções eficazes para o tratamento.

 “Uma vida sexual ativa, uma dieta saudável e consultas regulares ao ginecologista são componentes cruciais para manter a saúde vaginal e melhorar a qualidade de vida”, enfatiza a médica.

O Instituto GRIS tem como um dos pilares oferecer informações, tratamentos e apoio holístico para as mulheres que enfrentam os desafios da atrofia vaginal.”Nosso objetivo é promover a conscientização e a busca por tratamentos eficazes, exercendo papel ativo no auxílio às mulheres que desejam recuperar sua confiança e bem-estar sexual”, finaliza Alexandra.

Autor Julianna Santos

Relações Públicas, atuante em assessoria de imprensa e gestão de conteúdo para internet. Pós graduada em Educação Sexual pelo ISEXP – Instituto Brasileiro de Sexualidade e Medicina Psicossomática da Faculdade de Medicina do ABC, atendeu a várias empresas e profissionais do ramo erótico de 2002 até atualidade, estando inclusive a frente da sala de imprensa da Erótika Fair de 2002 a 2010. Também é certificada em Inbound Marketing pelo HubSopt Academy.

LEIA TAMBÉM

prolapso-vaginal

Prolapso vaginal: o que é e como tratar?

O prolapso vaginal é a descida de um ou mais órgãos pélvicos, como bexiga, útero ou reto, em direção à vagina. Apesar de ser mais comum em mulheres após o parto, também pode afetar mulheres que nunca engravidaram. Saiba quais são os sintomas, como prevenir e tratar o prolapso vaginal aqui.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verified by ExactMetrics