Inicio >> Sexologia >> Qual é o orgasmo feminino mais poderoso? baseado em fatos reais!

Qual é o orgasmo feminino mais poderoso? baseado em fatos reais!

Um estudo demoliu um mito antigo relacionado ao clímax das mulheres. Um especialista explicou as diferentes maneiras em que as mulheres experimentam o prazer intenso.

O orgasmo pode ser definido como uma descarga de tensão física acompanhada por uma intensa sensação de prazer conhecida como clímax. Ao contrário do orgasmo masculino, a resposta feminina não é linear, tal como apresentado nos homens e pode ser conseguida de várias maneiras, não só através da estimulação direta.

Há um mito sobre o prazer feminino: as vaginas – provocadas pela penetração – tem orgasmos “mais fortes” que pela estimulação do clitóris. O preconceito vem do tempo de Freud, diz a pesquisadora sexual Nicole Prause, que demoliu essa teoria através de um estudo.

Não há evidências científicas a esse respeito: “Não faz sentido distinguir entre orgasmos clitoriais e vaginais, temos feito perguntas a mulheres há muito tempo”, argumentou o especialista.

Ainda Walter Ghedin, psiquiatra e sexólogo explicou que “há mulheres que têm orgasmos com a penetração, outras podem obter tanto com a estimulação do clitóris e penetração e outras atingem o clímax apenas “tocando” o clitóris. Todas as formas são possíveis e cada mulher responde de uma maneira fisiológica e psicológica para atingir o orgasmo “.

A resposta vem do incitamento clitorial, pois este é o único órgão que está pronto para desencadear a resposta orgásmica – pela inervação, a sensibilidade dos tecidos e riqueza de vasos sanguíneos que tem dentro dele, no entanto, ele tem duas extensões que vão para dentro da vagina, que com a penetração também são estimulados e provocam o orgasmo”, afirmou o especialista.

 É um mito acreditar que existem dois orgasmos, o único é o que “ascende” o clitóris

30 a 35% das mulheres conseguem chegar ao clímax apenas com a penetração, o resto precisa de outros recursos. Sabe-se que 1 a 2% dos orgasmos femininos podem ser causados ​​por fantasias intensas. Mulheres que nunca atingiram o orgasmo geralmente sabem pouco do seu corpo e de sensações erógenas que vêm com ele, e também nunca se masturbou, disse Ghedin.

Para o especialista, a ideia de que o orgasmo feminino maduro e autêntico é quando alcançado pela penetração é “um mito sustentado por padrões culturais, sociais e religiosos e fortemente influenciado pela norma da procriação”.

 Essa ideia é uma crença falsa, “muitos homens acreditam que suas parceiras são frígidas porque não atingem o clímax quando são penetradas”

Os pesquisadores entrevistaram 88 mulheres sobre que tipo de estimulação costumava causar seus orgasmos, 64% responderam que isso é múltiplo. Isto é explicado como a resposta feminina tem um componente sensorial (do clitóris), um motor (contrações dos músculos pubococcígeo (PC) circundantes da vagina) e o cérebro (onde ocorrer imagens, sentimentos e fantasias).

Orgasmo mental: mito ou realidade

Apesar do científico há dados conclusivos sobre a frequência de orgasmos sem a estimulação genital, “acredita-se que cerca de 1 a 2% das mulheres chegam a obtê-lo”, explicou Ghedin. Não é preciso dizer que não há comprometimento genital, já que algum tipo de movimento de fricção existe involuntariamente. A excitação em si provoca contração dos músculos e mudanças no assoalho pélvico. Mesmo assim, com fantasias, relaxamento e respiração treinada, você pode atingir o orgasmo sem envolver os genitais, acrescentou o especialista.

Com informações de Infobae

só em 2009, os pesquisadores franceses Dr. Odile Buisson e Dr. Pierre Foldès deram ao mundo da medicina a primeira sonografia 3D completa do clitóris estimulado. Eles fizeram esse trabalho por três anos sem nenhum financiamento adequado. Graças a eles, agora entendemos como o tecido erétil do clitóris engorda e envolve a vagina – um avanço completo que explica como o que uma vez consideramos ser um orgasmo vaginal é na verdade um orgasmo clitoriano interno.

 

Autor Paula Aguiar

Publicitária, Consultora e expert em Mercado Erótico, Escritora e empresária. Atua no Mercado Erótico Brasileiro desde o ano 2000. Autora de 17 livros de negócios e sobre produtos eróticos para os consumidores. De 2010 a 2017, presidiu a ABEME – Associação Brasileira de Empresas do Mercado Erótico. Citada em mais de 100 teses universitárias e livros de sexualidade sobre o tema. Desenvolve e projeta produtos eróticos e cosméticos sensuais para os maiores players do setor. Criadora do primeiro seminário de palestras para empresários do mercado erótico em 2006. Apoiadora e partícipe dos mais importantes eventos eróticos do mundo. Também idealizadora do Prêmio Melhores do Mercado Erótico e Sensual que, desde 2016, anualmente elege as melhores empresas, as inovações, os produtos mais queridos e desejados e as ações que estimularam o desenvolvimento do setor. É fundadora e co-autora do site MercadoErótico.Org.

LEIA TAMBÉM

Dia do Beijo

Dia do Beijo: Beijar é tudo de bom

SENSUALIDADE. O Dia Internacional do Beijo é comemorado neste sábado, dia 13 de abril Por …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *