Nesse sábado: Projeto Luxúria comemora 17 anos

Considerada uma das 4 melhores festas fetichistas do mundo, o Projeto Luxúria foi a primeira do gênero do Brasil e é muito amada e esperada pelos fetichistas, praticantes e simpatizantes do BDSM em todo o país.

Imagine cruzar as portas de uma boate e entrar em uma realidade paralela: essa foi a minha primeira impressão com o Projeto Luxúria em 2009. Como assessora de imprensa da feira erótica na época eu já tinha visto muitas cenas de BDSM, mas que sempre me incomodaram muito e nessa noite em que visitei pela primeira vez o Luxúria entendi o porquê.

Até então ver um spanking ou trampling nos corredores de uma feira era uma experiência totalmente fora do lugar. No Projeto Luxúria fazia todo sentido. E nessa noite, que para mim foi mágica, vi também cenas de submissão, suspensão, Wax Play, podolatria, Shibari, Needle Play, entre outras práticas fetichistas, tudo acontecendo ao mesmo tempo em uma grande festa com tema distópico.

Me senti como se estivesse dentro de um filme no estilo Mad Max, como uma observadora quase figurante que estava ali para aprender ao som de uma boa música e respirando o mesmo ar dos personagens tão bem vestidos para a ocasião. Figurinos altamente criativos com muita personalidade que por si só já diziam tudo sobre as pessoas que os trajavam.

Fui em outras edições da festa inúmeras vezes, sozinha ou acompanhada de amigos e todas elas foram diferentes umas das outras. Fui até em um casamento dentro do Projeto Luxúria, quando ele acontecia no Miniclub na Consolação. A noiva era a Mayara Medeiros que acabava de sair do BBB e que viria se tornar uma das maiores produtoras de cinema adulto alt-porn do Brasil. 

O Luxúria não é apenas uma balada fetichista, com certeza é uma experiência, seja para quem é praticante de BDSM ou, como eu, uma mera observadora. O clima é criativo, desafiador e ao mesmo tempo se parece com um grande parque de diversões para adultos.

Às vezes se parece com um grande banquete libertino, outras vezes com um Jardim das Delícias. Um encontro punk underground ou uma história de vampiros. Criado e realizado pelo estilista e produtor cultural Heitor Werneck, o Projeto Luxúria é mensal e já se hospedou em várias casas noturnas de São Paulo, com edições especiais realizadas também em outros estados. 

Inspirada em eventos de fetiche de clubes estrangeiros, no Projeto Luxúria, o sexo explícito é proibido, porque o objetivo é oferecer um espaço para que as pessoas agucem suas fantasias, assistindo e participando de práticas fetichistas. Um grande diferencial que Heitor faz questão de manter. 

Veja entrevista exclusiva que ele concedeu ao Portal Mercadoerotico.org para comemorar os 17 anos do Projeto Luxúria:

Portal ME – Como surgiu a ideia inicial do Projeto Luxúria?

Heitor: O Projeto Luxúria surgiu logo depois que fechei a Escola de Divinos. Uma amiga minha dona do Torture of Garden em Londres, virou pra mim e falou: ‘Heitor, você é um cara que gosta tanto de fetiche, você faz roupa de fetiche, faz festas de fetiche, é tão preocupado com o sexo, por que você não faz a primeira festa de fetiche no Brasil?’ Foi ela quem me inspirou. Então, há 17 anos atrás, o Projeto Luxúria veio dessa necessidade de criar uma noite que tivesse a montação do fetiche, em que se falasse de sexo de uma forma educada, sabe? Não de sexo químico, e que se usasse outras formas de praticar o sexo, sem necessariamente ter o sexo.

Portal ME – De lá pra cá quais as mudanças no Brasil e no mundo que impactaram a festa?

Heitor: O Luxúria passa por cada festa de forma diferente. A festa do mês passado estava cheia de pessoas hétero. A festa do mês retrasado estava cheia de crossdressers. Mas o que tenho notado é que as pessoas estão cada dia mais caretas. E o que muito me assusta no Luxúria é a falta de sexólogos, psicólogos e psiquiatras nessa onda moralista. Vejo pouco desses profissionais da área da saúde mental, que deveriam ir, para ver como é sadio exercer uma sexualidade de forma tranquila passando na regra do São, Seguro e Consensual. Ao mesmo tempo,  tenho visto como estamos na era da vaidade, com muitas pessoas que chegaram no Luxúria quando ainda não eram ‘grandes shibaristas’, ‘grandes dominadores’, ‘grandes submissos’ como se autointitulam como agora, detentoras de um grande saber, e que, ao meu ver, nem saíram ainda dos cueiros.

Portal ME – Na sua opinião quais foram os momentos mais marcantes do Projeto Luxúria ao longo desses 17 anos?

Heitor: Para mim, são dois grandes momentos do Luxúria. Primeiro, quando ele ficou no Constantine, há 10 anos atrás, recebendo 800 pessoas. E outro momento é agora, quando o projeto está mais maduro, com um portal. Agora, estou tendo uma visão inovadora do Luxúria, eu não tinha minha tocado da importância do projeto, porque ele abriu portas para muitas festas e muitas pessoas que destacaram e que se inspiraram no projeto, produzindo moda, várias marcas lançando lingeries, acessórios em couro, bolsas, sapatos. É uma fase muito importante porque muitos foram chamados e poucos foram escolhidos. É o momento da profissionalização, a gente precisa mostrar para as pessoas que o ambiente de fetiche é sadio, é bonito, e pode ser também comercial. A gente conseguiu uma matéria na Folha de São Paulo sobre uma festa de fetiche, nesse ambiente conservador e moralista, isso é um grande avanço.

Portal ME – O que você mais vê ou escuta de seus frequentadores? 

Heitor: O que eu tô vendo e tá me deixando muito feliz é uma noção de união e fraternidade. Dentro da festa vejo só uma ou três pessoas formadas na cultura do cancelamento, mas que elas mesmas estão se distanciando, porque o Luxúria é uma festa de agregar, acolher, de ver, de sentir, de ser feliz. Eu vejo que as pessoas más somem do Luxúria. O Luxúria é muito protegido, tem uma energia de vibração erótica, sensual, de moda, de beleza, que gente ruim não frequenta. Mas por outro lado, existe uma parcela gay, dog, principalmente do petplay que não frequenta o Luxúria porque tem mulheres e travestis, o que me dá muita vergonha alheia. Assim como fico muito chocado com pessoas heteronormativas ficando incomodadas com a liberdade sexual e da escolha de gênero que o Luxúria tem.

Portal ME – Qual o seu maior desejo para o futuro do Projeto Luxúria?

Heitor: O meu maior desejo para o Luxúria é profissionalizar o mercado, fazer o mercado erótico ser mais forte, fazer a cena do BDSM, de fetiche e da moda entrar mais em novelas, em TV como eu sempre fiz e mostrar talentos novos. Hoje em dia eu tenho visto que tem pessoas que estão virando grandes artistas, mas que não fazem arte. O Luxúria é um processo, é um laboratório de erotismo, de sensualidade e de auto descobertas. Ali não tem lugar para vaidade, ali é o lugar da luxúria. Ali não é o ego, é luxúria. Quero crescer cada vez mais, quero mostrar grandes livros, grandes shows, grandes DJ’s, grandes noites, grandes premiações, eu quero ver as pessoas crescendo mais. Mas eu quero também formatar o começo de uma comunidade. Porque a gente não tem uma comunidade fetichista, nem BDSMer, nem Leather, nem Urso, nem PetPlay, então, eu quero ser a inspiração para isso acontecer. E isso já está acontecendo, sabe? Tem várias pessoas que se inspiraram no Luxúria e que estão começando a ter vida própria e que a gente está se unindo para conversar e fazer o começo dessa comunidade.

E ele acrescenta: “O Luxúria é uma terapia. Nesses 17 anos, eu aprendi muito e continuo aprendendo. É uma arte de viver. Eu aprendi de vez que, realmente, o fetiche para mim é minha filosofia de vida, é meu jeito de viver, eu sou um fetichista, eu me encanto por várias coisas, desde um sapato, até um bom cheiro, até um bom corte, até uma boa fantasia, e quando a coisa é segura e consensual, eu tenho prazer. O Luxúria me inspira a criar um mundo melhor. Eu faço o Luxúria como se fosse uma festa pra mim, um lugar que eu frequentaria, uma coisa que eu gostaria de escutar, que eu gostaria de ver, que eu gostaria de sentir. Então, quando a pessoa entra no Luxúria, ela praticamente entra dentro no meu Universo.E esse Universo é muito legal, porque é universo que não é só meu, é de várias pessoas. O Luxúria é isso: ele proporciona um exercício de liberdade. E não tem coisa mais legal no mundo do que ser livre. E praticar o orgasmo. Só Orgasmo Salva”.

Como comemorar os 17 anos do Projeto Luxúria

Neste sábado, 19/08, a partir das 23h59, será realizada a celebração dos 17 anos do Projeto Luxúria, com o tema “Escola de Luxúria” no Centro de São Paulo.

Essa edição promete muitas performances e atrações especiais relacionadas ao tema da festa, contando com cinema, apresentações artísticas, DJs botando fogo na pista, bar interativo, stand de lojas parceiras e muito mais.

A festa também é um exercício de moda, portanto ir caracterizado de acordo com o tema é parte da experiência. Quem for vestido de acordo com o dress code, pagará menos pela entrada. Para os que não puderem ir vestidos de acordo com a estética da noite, a vestimenta toda preta será bem-vinda. Não é recomendado ir com o básico jeans e camiseta, pois o passe para entrar na festa será bem mais alto.

Confira os valores abaixo:

Valores válidos até às 2h. Após esse horário seguem os valores de porta sem lista.

1° Lote Antecipado – Compra antecipada via Pix/Depósito valores válidos até o dia 10/08 

– DRESS CODE: R$ 70,00 (R$ 20,00 de consumação)

– SOCIAL PRETO R$ 80,00 (R$ 20,00 de consumação)

– CASAL DRESSCODE R$ 130,00 (R$ 30,00 de consumação)

– CASAL SOCIAL PRETO R$ 150,00 (R$ 30,00 de consumação)

2° Lote Antecipado – Compra antecipada via Pix/Depósito/cartão de crédito valores válidos até o dia 11/08 até dia 18/08

– DRESS CODE: R$ 80,00 (R$ 20,00 de consumação)

– SOCIAL PRETO R$ 90,00 (R$ 20,00 de consumação)

– CASAL DRESSCODE R$ 150,00 (R$ 30,00 de consumação)

– CASAL SOCIAL PRETO R$ 170,00 (R$ 30,00 de consumação)

Valores na Porta sem lista

– DRESS CODE: R$ 100,00 (R$ 20,00 de consumação)

– SOCIAL PRETO: R$ 150,00 (R$ 20,00 de consumação)

– JEANS/FIGURINO COLORIDO R$ 300,00

Forma de pagamento:

Pix-CNPJ: 19.398.150/0001-23

após o pagamento enviar comprovante para o (11) 93497-1755 ou mande seu nome por e-mail no listaluxuria@gmail.com

Sobre Heitor Werneck:

Heitor Werneck é estilista, figurinista, produtor cultural e ativista. Reconhecido por seus trabalhos como diretor, consultor e produtor de arte em diversas produções de TV e streaming, incluindo projetos célebres como ‘Malhação’, ‘Pecado Capital’, ‘Guerra dos Sexos’, ‘Sai de Baixo’, ‘Bom Dia, Verônica’ e ‘Vamp’.

É um dos diretores da Parada LGBTQIA + na cidade de São Paulo e em outras regiões do Brasil e também é conhecido por realizar ações sociais em prol de membros da comunidade LGBTQIA + relacionadas à saúde, alimentação e acolhimento em parcerias com ONGs, empresas e órgãos do governo.

Serviço:

Evento: “Projeto Luxúria – Escola de Luxúria”

Data: 19 de agosto

Horário: das 23h59 às 06h

Local: Rua Aurora, 710 – República, São Paulo – SP, 01209-002

Localização: R. Aurora, 710 – Santa Ifigênia

Autor Julianna Santos

Relações Públicas, atuante em assessoria de imprensa e gestão de conteúdo para internet. Pós graduada em Educação Sexual pelo ISEXP – Instituto Brasileiro de Sexualidade e Medicina Psicossomática da Faculdade de Medicina do ABC, atendeu a várias empresas e profissionais do ramo erótico de 2002 até atualidade, estando inclusive a frente da sala de imprensa da Erótika Fair de 2002 a 2010. Também é certificada em Inbound Marketing pelo HubSopt Academy.

LEIA TAMBÉM

sexualidade-da-geracao-z

Decifrando a Geração Z: primeiro relatório global sobre a sexualidade dos zoomers

De acordo com a pesquisa, 59% dos membros da Geração Z desejam um relacionamento aberto ou poliamoroso, citando benefícios como "experiências de vida sexual e/ou romântica mais plenas" (65%), "mente aberta/aceitação em relação a diferentes formas de amor" (54%) e "ajudar as pessoas a se ficarem mais confortáveis em pedir o que desejam para maior satisfação" (46%). Veja mais aqui.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verified by ExactMetrics