masculinidades-negras

Masculinidades negras: novos debates ganhando formas

Livro inédito será lançado nos dias 3 de setembro no Museu da República, Catete, e 17 de setembro no Muhcab, no Centro do Rio de Janeiro

Homens negros importam; homens negros existem; homens negros conhecem; homens negros transformam; homens negros realizam; homens negros estudam; homens negros ensinam; homens negros escrevem; homens negros se reconhecem.

Dois profissionais negros, da área acadêmica e das artes, se reuniram para dar voz a uma realidade no país: colocar de vez a importância da representatividade na sociedade em geral de corpos de homens afrodescendentes.

O doutor em educação Paulo Melgaço e o doutorando em memória social Vandelir Camilo organizaram o livro “Masculinidades Negras – Novos debates ganhando formas” que apresenta 29 autores, 15 artigos e 14 entrevistas.

O lançamento será no dia 3 de setembro, no Museu da República, no Catete, às 15h e no dia 17 de setembro, às 13h, no Muhcab, Museu da História e Cultura Afro- Brasileira, no Centro.

Falar de questões relacionadas ao passado da negritude brasileira e que, ao mesmo tempo, se aproximam do presente estado em que vivemos, nos coloca frente a frente com indagações que ainda se fazem importantes e necessárias.

É nesta seara que o livro procura jogar uma lupa – apresenta pesquisas voltadas para grandes temáticas de estudos sobre homens negros e as várias dimensões nas construções sociais desses indivíduos relacionados, antes de tudo, ao racismo versus gênero e, por conseguinte, a temas específicos como à paternidade, ao trabalho, à renda, à saúde, à educação e à sexualidade.

“O livro compõe-se de duas partes. Para a primeira, convidamos pensadores com diferentes inscrições corpóreas e de gênero para o campo das masculinidades negras. Assim, buscamos textos que operem em abordagens cognitivas alternativas e que radicalizem o entendimento conceitual da observação e da experiência, compreendendo o autor/pesquisador não apenas como alguém que interpreta e descreve suas experiências por meio da observação detalhada, mas como alguém que vivencia suas experiências produzindo um texto reflexivo metapragmático, indissocializando sujeito e objeto na pesquisa. Já a segunda parte, colóquio “Cinco questões sobre as masculinidades negras”, apresenta diálogos e traz resultados – sob a forma de questionário – organizados para este livro. Foi proposta cinco perguntas a alguns dos mais renomados pesquisadores e pesquisadoras de todas as regiões do país, de reconhecida liderança e influência” – explica o doutor Paulo Melgaço.

Formato: 14x21cm

Páginas: 340

ISBN: 978-65-80196-13-5

Preço de capa: R$ 65,00

Editora: Ciclo Contínuo Editorial

O livro busca inovar ao privilegiar textos e debates que iluminem as diferentes possibilidades de construção de gênero sobre o corpo negro e suas várias dimensões sociais em produções sexuais, intelectuais, artísticas em sentido extenso (literatura, artes, fotografia, teatro, cinema, televisão, etc).

Além dos organizadores, nomes como o de Monica Francisco Aprigio, Yago Eloi, Diogo Sousa, Kauan Almeida, Carolina Iara Ramos de Oliveira, Leonardo Peçanha, Daniel Veiga, William Melo, Jean dos Santos, Roberto Borges e Samuel de Oliveira, , Leandro de Brito, Wallace Modesto, Fabio de Almedia e Gabriel Vilela, Luiz Valério Soares da Cunha Junior, Alisson Keliton dos Anjos, Danilo Marques Pereira e Andressa Coloaia dos Santos refletem sobre assuntos diversos como paternidades negras, homens, negros gays, intersexualidades, transmasculinidades, educação, racismo, homofobia, entre outros pontos relacionados ao tema do livro.

Para Vandelir Camilo, esse campo já possui importantes referências e intelectuais identificados com ele. O autor afirma que ” o nosso objetivo com essa publicação foi explicitar e principalmente tensionar esses referenciais, as narrativas, os métodos, as perspectivas, os embates, as variações e os ruídos que circunscrevem as masculinidades negras”.

O autor prossegue afirmando que “o nosso interesse foi fotografar como anda vivo e atuante, neste contexto histórico, social, político, econômico, educacional em que vivemos essas masculinidades negras”.

O autor conclui afirmando que “o que queremos é tensionar esse nicho das ciências sociais que conceituamos como masculinidades negras novos debates ganhando formas”.

Debates sobre Masculinidades Negras

Nos últimos 30 anos, diferentes pesquisas relativas aos campos da educação, da antropologia, da sociologia, da psicologia e suas relações com raça (negra) e gênero (masculino), passaram a questionar modelos e normas essencializadas e a apresentar novos modelos e possibilidades de ser e estar no mundo.

Com isso, homens negros estão apresentando e construindo seus próprios caminhos e possibilidades de estar inserido ou não em determinados grupos sociais.

Reconhecidas como “masculinidades negras”, elas estão contribuindo para dar forma a este escopo de pesquisa, que, atualmente, tem apresentado uma dinâmica própria e ampliado as condições de afirmação desses debates no âmbito das ciências sociais.

Entretanto, esses debates não limitam ou tornam evidentes as fronteiras corpóreas, geográficas ou econômicas sobre corpos negros, mas, mais que isso, entre o próprio campo de pesquisa das masculinidades negras e outras áreas disciplinares, ou mesmo outros campos do conhecimento das ciências humanas o que provoca por si só debates interdisciplinares.

O resultado, tendo em vista os pesquisadores e pesquisadoras que fizeram parte do processo, oferece uma bela visão da constituição desse campo e do seu desenvolvimento na pesquisa e permite, ainda, esboçar o perfil, os desafios, e as perspectivas de modo bastante definido e consistente.

Os seguintes pesquisadores e pesquisadoras de diferentes regiões brasileiras responderam às cinco questões: Alan Augusto Moraes Ribeiro, Deivson Mendes Faustino, Elisete Santana da Cruz, Henrique Restier, Jonas Alves da Silva Junior, Júlio Cerqueira, Marcio Caetano, Megg Rayara, Osmundo Pinho, Paulo Melgaço da Silva Junior, Rolf Malungo, Suelly Messeder, Tarcisio Motta.

Novo Paradigma

Um dos principais efeitos desse novo paradigma é o de reverter a imagem, muito difundida em passado recente das ciências sociais e da sociedade em geral, que via estudos relativos aos corpos de homens negros como um tipo de conhecimento anticientífico, sem nenhuma significação ou representatividade na sociedade e para as ciências sociais contemporâneas.

Os autores esperam que com este livro possam colaborar para que os debates ganhem a expansão e penetração nacional, além de contribuir para que encontre desafios no sentido de incentivar a formação de novos debates, pesquisas e tensionamentos críticos, bem como sedimentar os estudos e referenciais já existentes.

Paulo Melgaço aponta ainda que as questões esmiuçadas no livro são cruciais e que abrem novas frentes de reflexão e de pesquisa, bem como desafios teórico-metodológicos para os debates das masculinidades negras, cujas diferenças, relações de continuidade com outras especialidades de gênero acadêmicas (as teorias decoloniais, teoria queer e outras), representatividades simbólicas e corpóreas passam a ser, então, mais sistematicamente exploradas e problematizadas.

“Mas são questões importantes, acima de tudo, pelo fato de suscitarem articulações e tensões entre as diversas formas de conceber e apreender o próprio campo das masculinidades negras, tal qual vem sendo praticado e ganhando forma nas últimas décadas”, diz.

Sobre os organizadores:

Paulo Melgaço – Pós- doutor e doutor em educação pela UFRJ, possui mestrado em educação, comunicação e cultura pela Uerj. Atua como professor e pesquisador na Escola Estadual de Dança Maria Olenewa desde 1993. É professor colaborador do programa de pós- graduação em ensino das artes cênicas na UNIRIO e autor de diversos livros, entre eles: Escola Estadual de Dança Maria Olenewa 75 anos: a história que fez estórias, Escola Estadual de Dança Maria Olenewa: um sonho feito em cores, Mercedes Baptista: a criação da identidade negra na dança.

Vandelir Camilo é doutorando em Memória Social pela Unirio, onde pesquisa a autobiografia do médico dr. Jose Mauricio Nunes Garcia Jr (1808_1884), parteiro, anatomista e professor catedrático da Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro (1833-1857), mestre em história política pela Escola de Ciências Sociais CPDOC FGV. Atuou como músico do Theatro Municipal. É atualmente é pesquisador e professor. É autor de artigos, capítulos e livros destacando o recém-lançado ensaio necromemória em que ilumina apagamentos e silenciamentos da memória social de afrobrasileiros como uma política de Estado que busca apagar heróis, fatos, lugares e epistemoligias em detrimento a uma imagem exclusiva do passado negro como escravizados e sem capacidade de organização o ensaio foi lançado pela Afrodiálogos em julho de 2022.

Serviço:

Masculinidades Negras: novos debates ganhando formas

Paulo Melgaço da Silva Júnior e Vandelir Camilo – Organizadores

Lançamento do livro: 3 de setembro – sábado

Horário: 15h às 17h

Local: Museu da República

Endereço: R. do Catete, 153 – Catete, Rio de Janeiro – RJ

Lançamento do livro: 17 de setembro – sábado

Horário: 13h às 17h

Local: MUHCAB – Museu da História e Cultura Afro- Brasileira

Endereço: R. Pedro Ernesto, 80 – Gamboa, Rio de Janeiro – RJ

Classificação: Livre

Link para pré-venda: https://loja.ciclocontinuoeditorial.com/masculinidades-negras-novos-debates-ganhando-formas

Fotos: Daniel A. Rodrigues

Autor Julianna Santos

Relações Públicas, atuante em assessoria de imprensa e gestão de conteúdo para internet. Pós graduada em Educação Sexual pelo ISEXP – Instituto Brasileiro de Sexualidade e Medicina Psicossomática da Faculdade de Medicina do ABC, atendeu a várias empresas e profissionais do ramo erótico de 2002 até atualidade, estando inclusive a frente da sala de imprensa da Erótika Fair de 2002 a 2010. Também é certificada em Inbound Marketing pelo HubSopt Academy.

LEIA TAMBÉM

marlene-sexy-batalha-vibradores

Batalha de Vibros: Golfinho X Sugador

Aproveitando essa semana onde o clima de eleições está mais aceso, decidi fazer nessa coluna uma batalha entre os dois modelos de vibradores mais queridos do Brasil: o Vibrador Golfinho e o Sugador de Clítoris.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.