incontinencia-urinaria-nao-e-normal

Incontinência urinária: não é normal!

Perda de urina involuntária, que interfere na qualidade de vida, afeta o bem-estar, causa constrangimento ou restringe o convívio social? É hora de procurar um médico

O assoalho pélvico é a estrutura formada por músculos, fáscias e ligamentos, responsáveis pela sustentação de órgãos como bexiga, útero, vagina e reto. Disfunções nessa estrutura podem afetar diretamente o controle da urina, das fezes ou as atividades sexuais.

​As disfunções mais frequentes estão relacionadas ao enfraquecimento ou alterações musculares, que levam à incontinência urinária e fecal, dores e hérnias. Sem diagnóstico ou tratamento, acabam por interferir na qualidade de vida, no bem-estar físico, mental e social

​Algumas condições ao longo da vida, como gestação, parto e menopausa, bem como a própria anatomia das mulheres, tornam a região do assoalho pélvico mais suscetível a desordens, especialmente a incontinência urinária de esforço e o prolapso de órgãos pélvicos, popularmente chamada de bexiga caída, explica o Dr. Alexandre Rossi, médico ginecologista e obstetra, responsável pelo ambulatório de Ginecologia Geral do Hospital e Maternidade Leonor Mendes de Barros e médico colaborador de Ginecologia da Faculdade de Medicina da USP.

“O importante é saber que nada disso deve ser considerado ‘normal’ e é importante levar estas queixas ao conhecimento do médico ginecologista assim que surgirem. Por meio de exame físico e alguns exames específicos, é possível orientar a sobre o tratamento mais indicado para cada caso”, afirma o especialista.

Diagnóstico e tratamento da incontinência urinária

Segundo o Dr. Alexandre, no caso da incontinência urinária de esforço, há diversas formas de tratamento. A escolha do tratamento depende da condição clínica de cada paciente e dos resultados de seus exames.

“Entre as opções, estão exercícios perineais, cones vaginais, eletroestimulação da musculatura do assoalho pélvico e fármacos.”

Muitas vezes, será necessária a correção cirúrgica. Neste caso, diversas são as técnicas e formas de cirurgia, sempre visando o melhor resultado com o menor tempo de recuperação.

Uma das opções é a cirurgia vaginal, que é considerada minimamente invasiva por utilizar um orifício natural do corpo da mulher: a vagina. Por este meio, é possível acessar o assoalho pélvico e realizar a correção necessária”, afirma o Dr. Alexandre.

Segundo o especialista, entre as diversas vantagens desta modalidade estão a pronta recuperação, pelo fato de haver manipulação mínima na cavidade pélvica e, ao final, não deixar cicatriz aparente.

Em caso de dúvida, não deixe de procurar o seu médico ginecologista. 

Autor Julianna Santos

Relações Públicas, atuante em assessoria de imprensa e gestão de conteúdo para internet. Pós graduada em Educação Sexual pelo ISEXP – Instituto Brasileiro de Sexualidade e Medicina Psicossomática da Faculdade de Medicina do ABC, atendeu a várias empresas e profissionais do ramo erótico de 2002 até atualidade, estando inclusive a frente da sala de imprensa da Erótika Fair de 2002 a 2010. Também é certificada em Inbound Marketing pelo HubSopt Academy.

LEIA TAMBÉM

marlene-sexy-batalha-vibradores

Batalha de Vibros: Golfinho X Sugador

Aproveitando essa semana onde o clima de eleições está mais aceso, decidi fazer nessa coluna uma batalha entre os dois modelos de vibradores mais queridos do Brasil: o Vibrador Golfinho e o Sugador de Clítoris.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.