Darkson ( José Loreto ) e Tessália ( Debora Nascimento ).

Loreto x Debora quem traiu quem?

Será que ambos não se traíram, quando não enxergaram os sinais ou não deram importância que a relação estava precisando de ajuda?

Por Ana Cristina da Silva*

Será que se traíram quando não deram oportunidade de dialogar, conversar sobre o que estaria em excesso ou falta dentro da relação?

Ou simplesmente buscar formas de ouvir de forma absoluta o que o outro teria pra falar ou até mesmo observar que o silêncio fala mais que mil palavras.

É importante considerar que a falta de tempo, agenda cheia e muitas atividades no trabalho, reforça o comportamento dos casais de vivenciar uma relação disfuncional.

Vivemos uma “era da mecanização”. Vou citar como exemplo,  o beijo:  antes era sinal de paixão entre alguns casais. Agora, são apenas rápidos selinhos com duração de 1 segundo, que também é aplicado em animais ou em entes queridos, ou seja, não é uma manifestação de carinho/amor exclusivo, só dos casais.

Esse selinho com duração de 1 minuto, expressa que tipo de qual sentimento? Intrinsicamente poderia expressar… Te amo, estamos juntos, ótimo dia de trabalho e por ai…

Convido a você que está lendo esse texto nesse exato momento a beijar sua face da mão com duração de 1 segundo, e pensar sobre o que sentiu. Em seguida repetir a mesma ação com 1 minuto e pensar sobre quais sentimentos emergiram.

Habitualmente, os casais falam de TUDO, exercem uma comunicação básica e até superficial, mas, negligenciam a “linguagem do amor”.

Discutir os pontos de melhorias ou os pontos fracos de uma relação requer cuidados e atenção. Não estou falando de DR (discutir a relação onde à comunicação é embasada, apenas em cobranças e culpabilização), mais uma comunicação mais profunda onde as individualidades são respeitadas e o amor do início da relação emerge consideravelmente na relação.

Frequentemente, ouço no meu consultório, “é impossível falar com ele (a), ele (a) nunca me ouve”, sinal de perigo! Se a comunicação está comprometida, essa relação precisa de ajuda urgente!

No caso José Loreto e Débora Nascimento, é difícil analisar quem traiu quem, porque uma relação é constituída de duas pessoas, cada conjugue apresenta 50% de responsabilidade.

Quando a relação apresenta disfunção relacional, alguém invadiu a responsabilidade do outro ou houve omissão por parte de alguém. 

É comum ocorrer entre os casais, após um tempo de relacionamento, o outro deixar de ser notado ou até mesmo ser percebido dentro da relação.

Regulamente os casais só notam a presença do parceiro (a) quando algo ruim acontece como a partilha de intimidade sexual e/ou emocional com outrem, por exemplo, uma traição.

A palavra traição conota dor, sofrimento, decepção e pode levar por caminhos sombrios sem volta, danos psíquicos, humilhação social, separação, divórcio ou sofrimento excessivo como tristeza, ódio, angústia e culpa. 

Mas também pode trazer um aprendizado, onde o casal passa a observar com clareza os sinais evidentes que apresentam no relacionamento.

Acredito que, numa situação como essa, julgar ou culpabilizar não é o melhor caminho, pois não é assim que se encontra solução.

Porém, uma ajuda profissional é recomendada para encontrar novamente o equilíbrio emocional e conjugal.

Ana Cristina da SilvaAna Cristina da Silva é  Psicóloga Clínica. Terapeuta conjugal. Sexóloga. Coach de relacionamento e Pós-graduada em Psicologia Positiva.

E-mail: anacsilva.psicologa@gmail.com

Atendimento presencial e on line (14) 99774-5823.

Av. Das Esmeraldas, 261 Cep: 17.516-000 Marília – SP

Autor Coluna Sexologia

A coluna SEXOLOGIA traz especialistas convidados para escrever sobre este tema tão amplo e que abraça tantas tribos diferentes. Quer participar? Envie seu artigo para o email contato@mercadoerotico.org

LEIA TAMBÉM

sindrome-da-boazinha

Síndrome da Boazinha: quando a necessidade de agradar o outro se torna um problema

Você se considera boazinha demais? Está sempre em busca da aprovação do outro? Acha que as pessoas podem estar se aproveitando de você, em função do seu  jeitinho? Tem dificuldade de dizer não, mesmo que não tenha tempo ou interesse em atender determinadas solicitações? Se você respondeu sim para estas perguntas, certamente sofre com a “Síndrome da Boazinha”. Este é um padrão de comportamento compulsivo e não um transtorno psiquiátrico, como explica Filipe Colombini, psicólogo e CEO da Equipe AT.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verified by ExactMetrics