como-nao-ser-contrariado

Filósofo traz 4 dicas para reagir bem ao ser contrariado

Fabiano de Abreu afirma que é possível aprender valiosas lições ao ser contrariado e traz 4 dicas para lidar melhor com a situação.

Para a maioria, é extremamente difícil a experiência de ser contrariado. Porém, a contrariedade também tem o seu lado positivo e pode ser pedagógica, ao nos ensinar que não somos soberanos e que nem tudo tem de se dobrar diante de nossa “magnífica” vontade.

Quanto a isto, o filósofo Fabiano de Abreu acredita que quando somos contrariados temos a possibilidade de descobrir verdades e crescer emocionalmente: “Algumas pessoas possuem uma grande dificuldade em aceitar opiniões diferentes, não admitem serem contrariadas e se ofendem quando suas ideias não são aceitas. A essas pessoas, falta humildade intelectual, que está relacionada ao fato de saber ouvir o NÃO, uma palavra negativa, que é a chave para um conhecimento que trará coisas positivas”.

Para ajudar você a reagir da melhor maneira possível ao ser contrariado e assim conseguir obter os benefícios da diversidade de idéias, Fabiano enumera 4 dicas que não apenas vão lhe dar uma orientação para reagir bem diante de críticas e negativas, mas ensinar a extrair valiosos aprendizados.

1- Quando somos confrontados, a ofensa é opcional

Para aprender a ouvir uma negativa, ou uma contraposta a ideia que, a princípio, achávamos genial, devemos nos manter abertos e ter humildade para receber novos conhecimentos.

Quando nos permitimos ouvir as opiniões contrárias, sem nos ofender com o que nos foi dito e crescer emocionalmente. Isto é necessário para que possamos avaliar as nossas ideias e objetivos.

Assim seremos mais abertos e modestos na vida, sem a infantil pretensão de acreditar
que nossa visão e posição devem ser sempre únicas e absolutas.

2- Pare de impôr as suas ideias. Seja mais humilde

Não saber ser contrariado afeta problematicamente pontos cruciais da nossa vida, no pessoal e no profissional.

No ambiente de trabalho, se a pessoa é uma funcionária e não sabe lidar com críticas e demandas, ela com certeza passará a ser mal vista pelos colegas.

Dentro de um relacionamento afetivo e/ou amoroso, seja em um casamento, namoro ou amizade, a pessoa que não aceita ser contrariada vive impondo suas vontades, e geralmente escolhe parceiros inibidos, fracos e submissos, até para não terem que bater de frente e em um dado momento precisaremceder. Isto é muito mal.

Quem não sabe ouvir opiniões perde muitas oportunidades de aprender com os colegas, e até com os seus superiores, por acreditar que as suas ideias sempre são melhores do que as das outras pessoas.

E mesmo quando precisa ceder, por uma força maior, porque o chefe mandou, ela fica revoltada e “meio que” torce o nariz para a ideia aprovada, como se fosse torcer para ela dar errado, só para depois poder dizer: “Eu avisei”.

Aprenda a ter humildade intelectual. O hábito constante de impôr e sobrepor a sua ideia às dos outros é considerado repugnante por muitos e te afasta das pessoas, tanto no ambiente de trabalho como na vida.

Seu orgulho não te levará e nem nunca te levou a nada. Tenha humildade e aprenda a escutar. Una isso a boa vontade, e todos perceberão que a convivência com você se tornou mais agradável. Você só tem a ganhar com isso.

3- Ouça mais para errar menos

O problema maior em uma pessoa que não aceita ser contrariada é que ela constantemente comete erros como resultado da ignorância, de ignorar o que o outro diz, ou por excesso de autoconfiança.

Contudo, para justificar os seus fracassos, ela coloca a culpa nos outros, justamente porque não admite falhas e porque também não escuta as pessoas.

É importante ouvir mais para errar menos. Sabemos que devemos aprender com as falhas para crescer.

Que não há vitória, sem derrota e que é com a experiência que alcançamos o sucesso. Mas a pessoa que não admite ser contrariada, finge não saber disso.

4- Use a razão para a auto-avaliação antes de dar lugar às emoções

Pare e pense: Se estão te contrariando algum motivo existe. Ou você está errado e deve parar e analisar suas atitudes, ou o outro está errado.

Mas você só saberá isso, se você se abrir e escutar. Parar e refletir sobre tudo que foi dito.

Se permita discutir e expor os seus pontos de vistas, mas respeite também os pontos de vistas dos outros de forma lógica, racional e paciente.

Não é fácil mas faz parte de crescer, é necessário. Atitudes imaturas e intransigentes causam muitos danos. Por isso, aceite que está na hora de ser mais maleável.

Autor Julianna Santos

Relações Públicas, atuante em assessoria de imprensa e gestão de conteúdo para internet. Pós graduada em Educação Sexual pelo ISEXP – Instituto Brasileiro de Sexualidade e Medicina Psicossomática da Faculdade de Medicina do ABC, atendeu a várias empresas e profissionais do ramo erótico de 2002 até atualidade, estando inclusive a frente da sala de imprensa da Erótika Fair de 2002 a 2010. Também é certificada em Inbound Marketing pelo HubSopt Academy.

LEIA TAMBÉM

sindrome-da-boazinha

Síndrome da Boazinha: quando a necessidade de agradar o outro se torna um problema

Você se considera boazinha demais? Está sempre em busca da aprovação do outro? Acha que as pessoas podem estar se aproveitando de você, em função do seu  jeitinho? Tem dificuldade de dizer não, mesmo que não tenha tempo ou interesse em atender determinadas solicitações? Se você respondeu sim para estas perguntas, certamente sofre com a “Síndrome da Boazinha”. Este é um padrão de comportamento compulsivo e não um transtorno psiquiátrico, como explica Filipe Colombini, psicólogo e CEO da Equipe AT.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verified by ExactMetrics