sexualidade-da-geracao-z

Decifrando a Geração Z: primeiro relatório global sobre a sexualidade dos zoomers

Entre os brasileiros dessa faixa etária, 62% estão dispostos a considerar a não monogamia

Ashley Madison, o principal site de relacionamentos extraconjugais do mundo¹, registrou a Geração Z como o grupo mais propenso² a se inscrever no site, mesmo que a maioria deles nunca tenha sido casada. Isso reflete uma mudança na sociedade em direção à não monogamia, no lugar dos relacionamentos tradicionais. 

Para entender melhor a atitude da geração em relação ao sexo e relacionamentos, a plataforma realizou uma pesquisa com a população de zoomers (pessoas com idade entre 18 e 29 anos) em dez países, em parceria com o YouGov³, além de questionar os próprios membros dessa faixa etária em seu site4. 

Quando se trata de sexo, a Geração Z é muito mais progressista e confortável com o conceito de não monogamia do que as gerações anteriores, com a maioria (62%) dos pesquisados no Brasil dispostos a considerar um relacionamento não monogâmico.

Considerada cheia de contradições, os nativos digitais representam o ambiente turbulento e em rápida mudança que estão vivenciando. Em 2022, mais de 1,8 milhão de membros da faixa etária se juntaram ao Ashley Madison, dos quais, mais de 240.000 eram do Brasil. 

De acordo com a pesquisa, 59% dos membros da Geração Z desejam um relacionamento aberto ou poliamoroso, citando benefícios como “experiências de vida sexual e/ou romântica mais plenas” (65%)“mente aberta/aceitação em relação a diferentes formas de amor” (54%) e “ajudar as pessoas a se ficarem mais confortáveis em pedir o que desejam para maior satisfação” (46%).

“A Geração Z é incrivelmente complexa e fascinante, e quando você pensa no fato de que estão se tornando a faixa etário dominante e o maior grupo de consumidores, é importante explorar suas perspectivas sobre diferentes tipos de relacionamentos”, diz Isabella Mise, Diretora Sênior de Comunicações do Ashley Madison

“Este relatório visa revelar mais sobre suas atitudes em relação à privacidade, discrição e não monogamia, à medida que eles equilibram entre juventude e idade adulta, e determinam onde se encaixam em um mundo caótico”, completa.

Tanto homens quanto mulheres nesta faixa etária concordam unanimemente que a principal razão para buscar parceiros externos/múltiplos é porque suas necessidades sexuais não podem ser satisfeitas por somente uma pessoa (51%). Surpreendentemente, 21% das mulheres entrevistadas indicam que não podem ser felizes e monogâmicas, enquanto apenas 15% dos homens relataram o mesmo.

Continuando a quebrar estigmas, a pesquisa com membros do Ashley Madison também indica que as mulheres tendem a ser mais sexualmente aventureiras do que os homens. Elas são três vezes mais propensas do que os homens a ter intimidade física com uma ou várias pessoas do mesmo sexo (15% vs. 5%)quatro vezes mais propensas a ter tido relacionamentos com pessoas do mesmo sexo através do Ashley Madison (8% vs. 2%), e duas vezes mais propensas a terem tido ménages a trois ou sexo em grupo com pessoas de vários gêneros/identidades (7% vs. 3%).

“As mulheres em casos ou relacionamentos com múltiplos parceiros enfrentam consequências mais severas do que os homens, que podem ganhar status na cultura por serem conquistadores, ou por terem o charme para atrair várias mulheres”, diz a Dra. Tammy Nelson, autora de “Open Monogamy”

“Esse conhecimento das possíveis retaliações significa que as mulheres têm mais inclinação para manter seus relacionamentos extras em segredo. À medida que nossa sociedade se move para uma conversa mais aberta sobre acordos de monogamia flexíveis, as mulheres podem finalmente ser capazes de sair do armário e expressar suas necessidades por variedade”, complementa.

Embora a Geração Z seja conhecida por compartilhar a maioria de suas vidas nas redes sociais, os dados da pesquisa com membros do Ashley Madison indicam que, quando se trata de divulgar seus relacionamentos românticos, tanto homens quanto mulheres tendem a ser mais conservadores. Já que 68% por cento das mulheres e 65% dos homens entrevistados relatam que geralmente não anunciam que estão em uma relação amorosa

A principal razão? Para os respondentes, simplesmente não parece necessário (62%). Com 59% dos pesquisados concordando que não é da conta de ninguém. Já entre os que tornaram seu relacionamento público, 81% indicaram que preferem fazer uma ‘revelação suave’ de seu novo relacionamento, liberando lentamente e de forma sutil conteúdos que apresenta seu parceiro. 

Quando questionados sobre os motivos para tornarem públicos seus relacionamentos, os membros da Geração Z no Brasil se classificam em terceiro lugar na lista global dos que buscam proporcionar segurança emocional ao parceiro, enquanto ocupam a última posição no tópico de considerar o relacionamento uma façanha pessoal. No que diz respeito às suas vidas sexuais, quase dois terços (64%) dos entrevistados brasileiros expressaram a opinião de que esse é um tema que demanda discrição e privacidade.

Embora esta geração possa parecer confusa às vezes, uma coisa é clara. A Geração Z tem uma ideia de quem gostaria de ser, mas ainda não chegou lá. Por causa disso, os zoomers ocupam um espaço onde duas ideias opostas podem ser verdadeiras – e a verdade está cheia de contradições.

O relatório completo está disponível aqui para download.


¹ Com base no número de cadastros no Ashley Madison desde 2002.
² Com base no número de cadastros globais no Ashley Madison de 1º de janeiro a 31 de dezembro de 2022.
³ Pesquisa do YouGov realizada com 17.096 adultos em dez países, dos quais 3.393 tinham entre 18 e 29 anos; os tamanhos da amostra para o Brasil foram 1.009 e 350, respectivamente. O trabalho de campo foi realizado entre 11 e 25 de julho de 2023. A pesquisa foi conduzida online.
4 Pesquisa com 663 membros da Geração Z do Ashley Madison (respondentes com idades entre 18 e 29 anos), realizada de 4 de abril a 6 de julho de 2023.

Autor Julianna Santos

Relações Públicas, atuante em assessoria de imprensa e gestão de conteúdo para internet. Pós graduada em Educação Sexual pelo ISEXP – Instituto Brasileiro de Sexualidade e Medicina Psicossomática da Faculdade de Medicina do ABC, atendeu a várias empresas e profissionais do ramo erótico de 2002 até atualidade, estando inclusive a frente da sala de imprensa da Erótika Fair de 2002 a 2010. Também é certificada em Inbound Marketing pelo HubSopt Academy.

LEIA TAMBÉM

prolapso-vaginal

Prolapso vaginal: o que é e como tratar?

O prolapso vaginal é a descida de um ou mais órgãos pélvicos, como bexiga, útero ou reto, em direção à vagina. Apesar de ser mais comum em mulheres após o parto, também pode afetar mulheres que nunca engravidaram. Saiba quais são os sintomas, como prevenir e tratar o prolapso vaginal aqui.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verified by ExactMetrics