como-aumentar-libido

Cuidar da libido é cuidar da saúde

Especialista explica sobre tratamento e outras dicas para deixar a libido em alta, confira!

A libido feminina deixou de ser um tabu e, consequentemente, mais mulheres buscam a medicina para cuidar da saúde sexual.  A endocrinologista Dra. Lorena Lima Amato explica abaixo sobre sintomas, tratamento e outras dicas para regatar a libido:

Quais os fatores que podem afetar a libido feminina?

As causas podem ser inúmeras, mas as principais estão relacionadas aos fatores socioeconômicos, psicológicos, físicos e hormonais, entre eles, os hormônios tireoidianos, ovarianos e adrenais.

Quais são os sinais da falta de libido?

Os sintomas da falta de libido vão depender de qual o hormônio está alterado. Se for o estrogênio, que é o hormônio feminino, além da libido, a mulher pode ter os famosos fogachos, secura vaginal, perda de massa óssea. Se for o hormônio tireoidiano, pode ter sonolência, queda de cabelo, cansaço e discreto ganho de peso.

Existe tratamento para a falta de libido?

O tratamento sempre será baseado na reposição do hormônio que está em falta. A terapia de reposição hormonal para o estrogênio, principalmente na pós-menopausa, resgata a libido e apresenta ótimo resultados.

Além do tratamento hormonal, quais outras recomendações para a mulher que está passando por essa fase?

A mulher precisa ter uma boa relação com ela mesma e com o seu corpo, bom estado mental, físico e cuidar bem da saúde como um todo para poder garantir uma libido satisfatória.

Por isso, é muito importante se abrir com seu médico e buscar tratamento. A vida está aí e precisamos aproveitar cada segundo.

Sobre a Dra. Lorena Lima Amato – A especialista é endocrinologista pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP), com título da Sociedade Brasileira de Endocrinologia (SBEM) e endocrinopediatra pela Sociedade Brasileira de Pediatria. É doutora pela USP e professora na Universidade Nove de Julho. https://www.instagram.com/dra.lorenaendocrino/

Autor Julianna Santos

Relações Públicas, atuante em assessoria de imprensa e gestão de conteúdo para internet. Pós graduada em Educação Sexual pelo ISEXP – Instituto Brasileiro de Sexualidade e Medicina Psicossomática da Faculdade de Medicina do ABC, atendeu a várias empresas e profissionais do ramo erótico de 2002 até atualidade, estando inclusive a frente da sala de imprensa da Erótika Fair de 2002 a 2010. Também é certificada em Inbound Marketing pelo HubSopt Academy.

LEIA TAMBÉM

alimentos-candidiase

Alimentos para evitar quando está com Candidíase

A candidíase é provocada pelo fungo Candida albicans, e pode causar coceira, corrimento branco grumoso, ardor local e para urinar, dor durante as relações sexuais e vermelhidão. Por Erica Mantelli*

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *