Alimentação e saúde íntima feminina: os efeitos do consumo excessivo de carboidratos

No inverno, muitas mulheres abusam de alimentos que podem prejudicar a saúde

Durante os dias mais frios do ano, é natural que o corpo busque fontes de energia para se manter aquecido, e os carboidratos são uma das principais fontes. Além disso, algumas pessoas tendem a sentir mais fome no inverno devido à queda da temperatura, o que pode levar ao aumento do consumo de alimentos calóricos e ricos em carboidratos.

Porém, os hábitos alimentares influenciam diretamente no nosso bem-estar, incluindo a saúde íntima. Nas mulheres, o consumo excessivo de doces e carboidratos pode alterar o pH vaginal, o que deixa a mulher com mais predisposição para a candidíase

“Esse hábito comum nos dias mais frios contribui para o crescimento de fungos, como a Candida albicans, que pode levar a uma tolerância fúngica, como a candidíase. Esses fungos prosperam em ambientes com alto teor de açúcar, o que pode ser favorecido por uma dieta rica em carboidratos simples”, explica a ginecologista especialista em Endoscopia Ginecológica na Clínica Ginelife, Dra. Fernanda Lellis.

A especialista ainda ressalta que consumir produtos industrializados, de forma exagerada, com alto teor de gordura ou ricos em leveduras, como cerveja, vinho e vinagre, entre outros, também pode prejudicar a saúde íntima e causar, por exemplo, corrimento e infecções.

Abusei, e agora?

Primeiramente, é importante ressaltar, que os carboidratos são uma importante fonte de energia para o corpo e devem fazer parte da nossa alimentação. Optar por grãos integrais, leguminosas e frutas, em vez de carboidratos refinados, pode ser benéfico para a saúde geral, incluindo a saúde íntima, fornecendo nutrientes essenciais e fibras que ajudam no bom funcionamento do organismo.

Agora, se você abusou ou deseja consumir alimentos que podem contribuir ou reequilibrar o pH vaginal, você pode incluir as bebidas lácteas com lactobacilos que contribuem para o equilíbrio do pH vaginal.

“O ideal é seguir uma dieta equilibrada, apostando em uma boa variação de legumes e vegetais, além de carboidratos em forma integral e alimentos ricos em proteína, com pouca gordura. Já os alimentos que ajudam a saúde íntima, são: cenoura, soja, maçã, batata-doce e pera, por exemplo. Também é recomendado beber bastante água ao longo do dia e ingerir água de coco rica em ácido láurico e muito recomendado para mulheres com candidíase” explicou a nutricionista na Clínica Ginelife, Gaby Esteves.

Ainda é possível acrescentar algumas ervas na alimentação, que vão contribuir para manter a saúde íntima. Segundo a nutricionista, alecrim e gengibre têm propriedades antioxidantes, antifúngicas e antiparasitárias.

Além disso, manter uma boa higiene íntima e adotar hábitos saudáveis de vida, como a prática regular de exercícios físicos e o controle do estresse, também são importantes para a manutenção da saúde íntima feminina.

Dra. Fernanda Lellis é ginecologista na Clínica Ginelife. Médica pela Faculdade de Medicina de Mogi das Cruzes. Residência de Ginecologia e Obstetrícia pela Faculdade de Medicina do ABC. Especialização de Videoendoscopia Ginecológica pela Faculdade de Medicina do ABC. Título de especialista em Ginecologia e Obstetrícia pela Associação Médica Brasileira e FEBRASGO. Título de especialista em Endoscopia Ginecológica pela Associação Médica Brasileira e FEBRASGO. Preceptora do setor de Videoendoscopia Ginecológica no Hospital Mario Covas.

Gaby Esteves é nutricionista na Clínica Ginelife. Formada no Centro Universitário São Camilo em 2003. Pós-graduada em Nutrição Clínica pelo Centro Universitário São Camilo em 2006. Especialista em Suplementação Nutricional pelo Centro VP em 2008. Atendimento em consultório com ênfase em cirurgia bariátrica, doenças intestinais e cardiologia desde 2004. Atendimento em consultório com ênfase em endometriose, menopausa, gestação e SOP desde 2021. Nutricionista do ambulatório de dor pélvica crônica e endometriose da Ginecologia da Faculdade de Medicina da Fundação ABC. Nutricionista Parceira da TV Gazeta em programas televisivos desde 2003.

Autor Julianna Santos

Relações Públicas, atuante em assessoria de imprensa e gestão de conteúdo para internet. Pós graduada em Educação Sexual pelo ISEXP – Instituto Brasileiro de Sexualidade e Medicina Psicossomática da Faculdade de Medicina do ABC, atendeu a várias empresas e profissionais do ramo erótico de 2002 até atualidade, estando inclusive a frente da sala de imprensa da Erótika Fair de 2002 a 2010. Também é certificada em Inbound Marketing pelo HubSopt Academy.

LEIA TAMBÉM

camiseta-de-time-não-e-boa-pra-namorar

Camisetas de times não são adequadas para encontros amorosos

Ter um primeiro encontro com a pessoa desejada é um ‘golaço’ e tanto. Mas será que a camiseta do time favorito tem espaço durante a paquera? Segundo pesquisa apenas 3% dos usuários consideram as camisetas de time adequadas para dates. Saiba mais aqui.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verified by ExactMetrics