mulheres-tem-mais-infecção-urinaria

Infecção urinária atinge 30% das mulheres

Em razão de sua anatomia, as mulheres precisam ficar atentas com a infecção urinária, que se não tratada pode evoluir para uma cistite – infecção ou inflamação da bexiga ou para uma pielonefrite – infecção do rim, que embora seja reversível, pode evoluir para uma doença renal crônica.

De acordo com o urologista do Hospital Santa Casa de Mauá, Karlo Danilson de Moraes Sousa, a infecção urinária é a ação de uma bactéria que entra pelo canal da uretra e vai até a bexiga, provocando inflamação do órgão e contaminação da urina.

“A patologia atinge 30% das mulheres ao longo da vida e com maior incidência no início da vida sexual e na gestação. Após a menopausa pode ocorrer a infecção urinária de repetição, quando há mais de três episódios no período de seis meses”, explica Sousa.

O principal fator responsável pela infecção urinária é a queda da imunidade – que depende muito de fatores externos como alimentação, hidratação e atividade física – que leva a multiplicação da flora bacteriana causando a infecção.

A uretra feminina, por ser mais curta que a masculina, também facilita a ascensão das bactérias que estão na região genital. 

A infecção urinária pode ser sintomática ou assintomática. Alguns dos principais sintomas são a urgência miccional, dor ao urinar, maior eliminação de urina durante a noite, micção muito frequente, dor lombar, febre, urina turva ou avermelhada em razão da presença de sangue. 

Além da anatomia feminina, a infecção urinária também pode surgir em razão da má higiene, das mudanças hormonais, da falta de hidratação, da candidíase, de doenças crônicas e da relação sexual – quando a abertura da uretra fica mais exposta. Nesse caso, é recomendado sempre urinar após a relação sexual a fim de limpar o trato urinário. 

“Nas mulheres, a incidência de infecção urinária é de 80% a 90% mais prevalente na idade reprodutiva e na menopausa em razão da queda do estrogênio e na quantidade de micro-organismos que protegem a vagina. O diagnóstico é feito por meio do relato dos sintomas, do exame de urina e da urinocultura com antibiograma, o tratamento é à base de antibióticos”, explica o urologista. 

Como prevenir a infecção urinária?

A melhor forma de prevenir a infecção urinária é estar com a imunidade alta, reforçar a higiene íntima da região genital, evitar longos períodos sem urinar, redobrar a atenção com o uso de alguns métodos contraceptivos, que elevam os riscos de infecções recorrente e alteram a flora vaginal, além de evitar o uso de roupas apertadas e calcinhas úmidas para que não ocorra a proliferação de fungos.

O Hospital Santa Casa de Mauá foi fundado há 55 anos e está localizado na Avenida Dom José Gaspar, 1374 – Vila Assis – Mauá – fone (11) 2198-8300. https://santacasamaua.org.br/ .

Autor Julianna Santos

Relações Públicas, atuante em assessoria de imprensa e gestão de conteúdo para internet. Pós graduada em Educação Sexual pelo ISEXP – Instituto Brasileiro de Sexualidade e Medicina Psicossomática da Faculdade de Medicina do ABC, atendeu a várias empresas e profissionais do ramo erótico de 2002 até atualidade, estando inclusive a frente da sala de imprensa da Erótika Fair de 2002 a 2010. Também é certificada em Inbound Marketing pelo HubSopt Academy.

LEIA TAMBÉM

marlene-sexy-batalha-vibradores

Batalha de Vibros: Golfinho X Sugador

Aproveitando essa semana onde o clima de eleições está mais aceso, decidi fazer nessa coluna uma batalha entre os dois modelos de vibradores mais queridos do Brasil: o Vibrador Golfinho e o Sugador de Clítoris.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.