Incontinência urinária feminina atinge mais de 20% das mulheres no Brasil e é mais comum durante a menopausa

O urologista dr. Fábio Tanno explica o que é, quais as causas, os tipos e os melhores tratamentos para a incontinência urinária feminina, doença que atinge mais o público 50+

A incontinência urinária feminina (IUF) é definida como perda involuntária de urina e possui quatro tipos. Este distúrbio, que pode ser diagnosticado por meio de entrevista médica juntamente com exame clínico, costuma afetar a vida social das mulheres, especialmente a autoestima e o convívio social.

Atinge, principalmente, mulheres na menopausa. Segundo estudo recente da Sociedade Brasileira de Urologia, mais de 70% das mulheres em todo o mundo sofrem de incontinência urinária. Já no Brasil estima-se que 11 a 23% das mulheres tenham a doença.

Além da menopausa, outras causas são: queda do tônus muscular da região pélvica, obesidade, gestação prévia e problemas neurológicos. Segundo o urologista da Prime Care Medical Complex e membro Especialista pela Sociedade Brasileira de Urologia, dr. Fábio Tanno, a IUF pode acometer mulheres de qualquer idade, mas é mais comum durante a menopausa. “A porcentagem é maior em mulheres menopausadas, chegando a 25-50% nessa população”, comenta.

Tipos de Incontinência Urinária na mulher

Segundo o dr. Fábio Tanno existem quatro tipos distintos de IUF: a Incontinência Urinária de Esforço – a perda involuntária acontece quando a mulher faz alguma atividade com esforço físico (pulo, corrida ou musculação). “Pode acontecer até quando ela tosse ou espirra”, diz. A principal causa deste tipo é a queda no tônus muscular da região pélvica e da uretra. O segundo tipo é a Incontinência Urinária de Urgência – acontece a perda quando a mulher tem vontade de urinar e não consegue segurar, causada por contração involuntária da bexiga. O terceiro tipo é a Incontinência Urinária Mista, que é a associação dos tipos um e dois. E a quarta e última é a Incontinência Urinária por transbordamento, quando há perda de sensibilidade da bexiga (a mulher não sente que está cheia) e simplesmente “transborda”, gerando perdas urinárias involuntárias.

Como é feito o diagnóstico?

Para diagnosticar a IUF, o médico precisa de uma anamnese – entrevista prévia realizada durante a consulta – associada a um exame físico. “Existem outros exames que podem ajudar neste diagnóstico como: estudo urodinâmico, cistoscopia, ultrassonografia das vias urinárias e, por fim, exames de urina”, revela.

Para tratar a incontinência urinária feminina é importante antes saber qual a causa. “O tratamento vai depender disto, mas, podemos contar com fisioterapia pélvica, medicamentos para controle de contrações da bexiga (vesicais) e até cirurgia (nos casos em que se quer melhorar o tônus da uretra), como principais tratamentos”, finaliza.

Como prevenir

Para as mulheres que querem prevenir a IUF, o ideal é controlar o peso, ter um acompanhamento médico – principalmente durante a menopausa – e fazer atividades físicas regulares. Para saber mais sobre a condição e obter ajuda profissional, a especialidade médica sugerida é o urologista ou ginecologista.

Sobre o dr. Fábio Tanno

Graduado em Medicina pela Faculdade de Medicina da USP, o dr. Fábio Tanno possui doutorado em Urologia pela mesma faculdade e título de Especialista pela Sociedade Brasileira de Urologia (SBU). É também médico assistente da Divisão de Clínica Urológica do HCFMUSP. Suas áreas de atuação são: Cirurgia de Adrenal; Cálculos Renais; Vasectomia e Infertilidade masculina; Hiperplasia (crescimento) da Próstata; Urologia Reconstrutiva; Câncer de Próstata, Rim, Bexiga e Testículo; Disfunções Sexuais (Impotência/Ejaculação precoce); Incontinência Urinária e Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST).

Autor Julianna Santos

Relações Públicas, atuante em assessoria de imprensa e gestão de conteúdo para internet. Pós graduada em Educação Sexual pelo ISEXP – Instituto Brasileiro de Sexualidade e Medicina Psicossomática da Faculdade de Medicina do ABC, atendeu a várias empresas e profissionais do ramo erótico de 2002 até atualidade, estando inclusive a frente da sala de imprensa da Erótika Fair de 2002 a 2010. Também é certificada em Inbound Marketing pelo HubSopt Academy.

LEIA TAMBÉM

vote-premio-mercado-erotico

Está no ar a Votação Final da 8a edição do Prêmio Mercado Erótico Sensual e Bem Estar Íntimo

Chegou o tão esperado momento de decidir quem são os melhores produtos, empresas, marcas e personalidades do mercado erótico em 2023 e você pode ajudar a escolher! Conheça os finalistas, saiba como votar e como participar da cerimonia do Oscar do Mercado Erótico, no dia 07 de março, em São Paulo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verified by ExactMetrics