Audilene Barbosa vai pro Privacy em busca de liberdade e reverte renda para ações sociais

Ela é empresária, mãe, esposa, coach, sexóloga e sobretudo mulher. E o que começou com um exercício da busca da sua liberdade se transformou em um projeto social a partir do Privacy.

Audilene Barbosa, tem 42 anos, é uma dos pouco mais de 80 mil habitantes de Picos, no interior de Piauí, a 307 km da capital, Teresina. Casada há 23 anos e mãe de 3 filhos (o mais velho já tem 22), Audilene se destaca não só em sua cidade, mas também dentro do mercado erótico brasileiro pelo seu espírito visionário e empreendedor.

A empresária montou seu primeiro negócio em 2007, um supermercado que é ativo até hoje e pelo qual ganhou o Prêmio Sebrae Mulheres de Negócios nível estadual, “que é um dos prêmios que recebi mais marcantes da minha vida”, revela.

Mas logo bateu a saudade de trabalhar com a autoestima da mulher, um talento que ela desenvolveu enquanto revendia produtos sensuais muito antes de pensar em abrir um CNPJ.

Por isso, em 2010, ela também abriu a Audi Modas, uma loja multimarcas de roupas fitness e lingerie, com direito a um escritório no fundo recheado de produtos sensuais, onde ela presta pessoalmente um atendimento mais personalizado e discreto aos seus clientes mais tímidos.

Logo, Audilene percebeu que precisaria de mais conhecimento para essa empreitada e se formou como coach, sexóloga e mais recentemente também como terapeuta tântrica. “Hoje, a Audi Modas, é uma loja conceituada no bairro e se tornou um espaço não só para a venda de produtos. Lá eu também trabalho o desenvolvimento pessoal dos meus clientes, despertando e auxiliando-os no processo de auto descoberta e auto conhecimento”, explica.

Intensa, ela é apaixonada pelo que faz e conta que foi se transformando também como pessoa ao longo desse processo, saindo do formato social esperado de uma “mulher de família” para ser uma mulher plena, e  que luta por igualdade de direitos não só no discurso como também na prática.

Corajosa e quebrando tabus, barreiras e fronteiras, Audilene percebeu que poderia contribuir muito mais expondo as suas descobertas nas redes sociais para inspirar seus seguidores, porém sempre batia de frente com a corrente censura dos algoritmos.

Foi aí que, ao final da pandemia, ela abriu um perfil privado no Only Fans, apenas como um experimento, postando fotos mais sensuais. No final de julho, em plena semana do Orgasmo, Audilene, ousa mais uma vez e abre um perfil também no Privacy e ficou maravilhada com os resultados.

“A plataforma privada veio como uma necessidade minha, de ousar no meu lado sensual, de ser uma mulher com a minha idade e me sentir linda, maravilhosa e não é só pelo meu corpo, mas pelo meu eu de dentro pra fora. Uma mulher que se cuida, que se ama e que também quer de alguma forma transbordar isso para mais pessoas”, conta a empresária.

Em menos de uma semana no ar, ela ganhou centenas de fãs que contribuíram para ver suas fotos e vídeos sensuais, o que a motivou a reverter parte da renda obtida com a monetização na plataforma para projetos sociais.

Audilene está encantada com o nível de interação com os seus admiradores na plataforma, porque segundo ela, além dos costumeiros elogios, as pessoas querem se abrir e trocar uma ideia sobre sexo de forma mais aberta, natural.”Eu ouvi muitas histórias, conheci muitas pessoas, inclusive formei até grandes amizades que se preocupam comigo, com meu eu interior. Eles até perguntam o que aconteceu quando eu fico sem postar algo. É uma ligação muito boa, muito respeitosa, é incrível”. Tudo isso acendeu a expertise de coach de Audilene também nessa nova atividade no Privacy.

Contribuindo com Prazer

Todo esse potencial do Privacy e esse sucesso instantâneo também despertou o lado visionário e empreendedor de Audilene para um novo projeto: “Contribuindo com Prazer” é o nome que ela está dando para essa nova atuação profissional, onde além de fotos e vídeos sensuais, ela também quer oferecer cursos de práticas sensuais mais educativos. 

Bem à frente do seu tempo, Audilene quer sair da teoria das palestras e mostrar como se faz um sexo oral, bem feito, massagens, strip tease entre outras artes sensuais, tudo vestindo lindas e provocantes lingeries.

E claro: a renda obtida em parte continuará sendo revertida em ações sociais para a comunidade de Picos, “até que um dia eu possa finalmente abrir o ‘Audi Doce Lar’, um sonho que tenho de montar um espaço bem equipado para acolher mulheres em vulnerabilidade social”, confessa a empresária que mesmo abatida com o vazamento, manipulação e distribuição de suas fotos em grupos de whatsapp não quer desistir de sua missão.

“Eu já fui a público em minhas redes sociais avisando que essas montagens não correspondem às fotos reais, porque ainda não postei fotos nuas e de forma explícita. Quando chegar a hora de produzir ensaios assim, meus seguidores no Privacy serão os primeiros a saber”, declara.

Focada em seus objetivos, Audilene diz que o lado negativo de tudo isso só sinaliza o quanto temos ainda que aprender sobre respeito e liberdade: “Eu me preocupo com essa exposição por causa dos meus familiares. Mas eu tenho certeza de quem eu sou, e vai ficar comigo, ao meu lado, quem também entende quem eu sou. E quem não consegue fazer isso, vou respeitar. Meu propósito é despertar o prazer nas outras pessoas, ousar com a minha coragem de forma tão diferente, tão única, natural e ao mesmo tempo ajudar muitas outras pessoas, tanto inspirando-as como também doando itens de primeira necessidade para quem precisa.”

E finaliza assinalando sobre as críticas que tem recebido por quem viu as fotos vazadas mas que não entrou no seu perfil ainda:  “infelizmente o preconceito vem mais das mulheres do que dos homens. É mais fácil aceitar um homem que tem um filho fora do casamento do que uma mulher que quer ser livre, dona da sua própria vida. Mas eu acredito de verdade que posso fazer a diferença na vida das pessoas. Veja só: ‘assim como a Audilene pode fazer eu também posso’. Quantas pessoas estão desempregadas, que estão perdidas sem saber por onde começar, que podem fazer um conteúdo em que elas sejam boas, e não precisa ser necessariamente a nudez, é mais sobre essência do que sobre corpo. Essa sou eu, e vou fazer que tiver ao meu alcance para defender.”

Agora você já pode ir correndo conferir:

https://onlyfans.com/audilenebarbosa

https://privacy.com.br/Audilene

Autor Julianna Santos

Relações Públicas, atuante em assessoria de imprensa e gestão de conteúdo para internet. Pós graduada em Educação Sexual pelo ISEXP – Instituto Brasileiro de Sexualidade e Medicina Psicossomática da Faculdade de Medicina do ABC, atendeu a várias empresas e profissionais do ramo erótico de 2002 até atualidade, estando inclusive a frente da sala de imprensa da Erótika Fair de 2002 a 2010. Também é certificada em Inbound Marketing pelo HubSopt Academy.

LEIA TAMBÉM

sexualidade-da-geracao-z

Decifrando a Geração Z: primeiro relatório global sobre a sexualidade dos zoomers

De acordo com a pesquisa, 59% dos membros da Geração Z desejam um relacionamento aberto ou poliamoroso, citando benefícios como "experiências de vida sexual e/ou romântica mais plenas" (65%), "mente aberta/aceitação em relação a diferentes formas de amor" (54%) e "ajudar as pessoas a se ficarem mais confortáveis em pedir o que desejam para maior satisfação" (46%). Veja mais aqui.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verified by ExactMetrics