quando-o-amor-e-verdadeiro

Será que existe só uma forma de amar?

O pensador cultural australiano e cofundador da The School of Life em Londres, Roman Krznaric, apresenta 6 formas de amar dos gregos antigos.

Em meio a uma nova onda de liberação sexual, onde as pessoas não conseguem sustentar por muito tempo um relacionamento ou se sentem perdidas em suas formas de expressão dos afetos, Roman Krznaric, autor do livro “How Should We Live? Grandes Idéias do Passado para a Vida Cotidiana” relembra que nem sempre a Humanidade se limitou ao amor romântico como único e verdadeiro.

Em seu divertido artigo para o site Greek Reporter, ele conta que os gregos antigos tinham pelo menos 6 palavras diferentes para definir o que é o amor e que poderíamos amar mais e nos sentir mais amados se pudéssemos enxergar esse sentimento como eles.

Seis tipos de amor de acordo com os gregos antigos

  1. Eros, ou paixão sexual

O primeiro tipo de amor foi eros, em homenagem ao deus grego da fertilidade, e representava a ideia de paixão e desejo sexual. Mas os gregos nem sempre pensaram nisso como algo positivo, como podemos fazer hoje.

Na verdade, eros era visto como uma forma de amor perigosa, ardente e irracional que poderia tomar conta de você e possuí-lo.

Isso pode parecer estranho para nós na atualidade, porque perder o controle é exatamente o que muitas pessoas buscam em um relacionamento. Todos nós não esperamos nos apaixonar “loucamente”?

  1. Philia, ou amizade profunda

A segunda variedade de amor era philia ou amizade, que os gregos valorizavam muito mais do que a sexualidade vil de eros.

Philia é aquela profunda amizade de camaradagem que se desenvolvia entre os irmãos de armas que lutaram lado a lado no campo de batalha.

É a lealdade a seus amigos, sacrificar-se por eles e compartilhar suas emoções com eles. (Outro tipo de philia, às vezes chamado de storge, personificava o amor entre pais e filhos.)

Todos nós podemos nos perguntar quanto dessa camaradagem philia temos em nossas vidas. É uma questão importante em uma época em que tentamos acumular “amigos” no Facebook ou “seguidores” no Twitter — conquistas que dificilmente impressionariam os gregos.

  1. Ludus, ou amor lúdico

Ludus era uma ideia de amor lúdico dos gregos, que se referia ao afeto entre crianças ou jovens amantes. Todos nós já experimentamos isso flertando e prometendo nos alcançar iniciais de um relacionamento. Mas também vivemos nosso ludus quando nos sentamos em um bar para conversar e rir com os amigos ou quando saímos para dançar.

Dançar com estranhos pode ser uma atividade lúdica definitiva – quase um substituto lúdico do próprio sexo. As normas sociais podem desaprovar esse tipo de frivolidade adulta, mas um pouco mais de ludus pode ser exatamente o que precisamos para apimentar nossa vida amorosa.

  1. Ágape, ou amor para todos

O quarto amor, e talvez o mais radical, é o ágape ou amor altruísta. Um amor que estende a todas as pessoas, sejam familiares ou estranhos distantes. Ágape foi mais tarde traduzido para o latim como caritas, que é a origem de nossa palavra “caridade”.

Há evidências crescentes de que o ágape está em declínio perigoso em muitos países. É só você lembrar quantas vezes você tem se dedicado de alguma forma a ajudar pessoas que você não conhece…

  1. Pragma, ou amor de longa data

Outro amor grego era o amor maduro conhecido como pragma. Trata-se do profundo entendimento que se desenvolve entre casais casados ​​há muito tempo.

Pragma é sobre fazer concessões para ajudar o relacionamento a funcionar ao longo do tempo e mostrar paciência e tolerância.

O psicanalista Erich Fromm disse que gastamos muita energia em “nos apaixonar” e precisamos aprender mais a “estar apaixonados”. Pragma é precisamente sobre permanecer apaixonado – fazer um esforço para dar amor em vez de apenas recebê-lo.

  1. Philautia, ou amor de si mesmo

A sexta variedade de amor dos gregos era philautia ou amor-próprio, e os gregos inteligentes percebiam que havia dois tipos. Um deles era uma variedade doentia associada ao narcisismo em que você se torna obcecado por si mesmo e focado na fama e fortuna pessoal. A versão mais saudável seria aquela em que você aumenta sua capacidade mais ampla de amar.

A ideia era que, se você gosta de si mesmo e se sente seguro em si mesmo, terá muito amor para dar aos outros. Em outras palavras, como disse Aristóteles, “todos os sentimentos amigáveis ​​​​pelos outros são uma extensão dos sentimentos de um homem por si mesmo”.

Portanto, o que podemos aprender com essa análise de Roman, é que é possível nutrir as variedades de amor e explorar suas muitas fontes. Não busque apenas o eros, mas cultive a philia passando mais tempo com velhos amigos, ou desenvolva o ludus dançando a noite toda.

E reconhecer que um relacionamento pode começar com bastante eros e ludus e depois evoluir para incorporar mais pragma ou ágape.

Ao mapear até que ponto todos os seis amores estão presentes em sua vida, você pode descobrir que tem muito mais amor do que jamais imaginou – mesmo que sinta a ausência de um amante físico.

Autor Julianna Santos

Relações Públicas, atuante em assessoria de imprensa e gestão de conteúdo para internet. Pós graduada em Educação Sexual pelo ISEXP – Instituto Brasileiro de Sexualidade e Medicina Psicossomática da Faculdade de Medicina do ABC, atendeu a várias empresas e profissionais do ramo erótico de 2002 até atualidade, estando inclusive a frente da sala de imprensa da Erótika Fair de 2002 a 2010. Também é certificada em Inbound Marketing pelo HubSopt Academy.

LEIA TAMBÉM

Os mitos e verdades sobre o tamanho do pênis

O artigo fala sobre mitos e verdades sobre o tamanho do pênis. Ele esclarece que existem técnicas e exercícios que podem ser feitos para aumentar o tamanho do pênis, mas que as cirurgias devem ser consideradas com cuidado devido aos possíveis efeitos colaterais. Também menciona que o tamanho do pênis não é o mais importante para as mulheres e que o tamanho médio do pênis é de cerca de 12 a 16 cm. O artigo também menciona sobre os acessórios para aumentar o penis, como extensores, bombas de vácuo e pesos, mas alerta para o uso com cuidado e sempre consultar um médico antes de utilizá-los. Em resumo, o artigo esclarece que o tamanho do pênis não é tão importante quanto se pensa e que existem opções para aumentá-lo, mas é preciso ter cuidado e sempre buscar orientação médica.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *