faxina na relação

Lua minguante, semana de faxina na relação!

A lua já está na transição de cheia para minguante, momento ideal para revisão de posturas e vícios, alguns já enraizados no cotidiano do relacionamento.

Quando a lua minguante iniciar, você terá a oportunidade de banir definitivamente aquilo que você percebeu que não vale a pena, para deixar suas relações amorosas mais leves.

Vamos escolher um comportamento muito recorrente em casais, principalmente os que têm filhos, que é a síndrome da “mamãe perfeita” e do “papai bonzinho”, vivido por grande parte dos casais, independentemente do gênero.

A mamãe perfeita é aquela que alimenta a ideia de que já nasceu mãe e se não nasceu… os filhos foram trazidos pela cegonha!

Sexo?

A mamãe perfeita alimenta a imagem de que até pode saber do assunto, mas apenas fez (ou faz) sexo para procriar…

E o papai bonzinho reforça a ideia, passando aos filhos a imagem de que a mamãe é praticamente um ser assexuado, quase uma imagem a ser cultuada em um altar, e o papai “respeita” a mamãe e ambos não pensam, nem fazem sexo.

Cada casal cria os filhos com os conceitos sobre sexo que quiser, porém quando o casal passa a acreditar na imagem passada aos filhos e acaba sendo “mamãe e papai” todo o tempo, o sexo vai se tornando a exceção e rareando, até praticamente desaparecer.

O passo seguinte é a transformação da energia sexual acumulada em:

… raiva, gerando atritos

… vitimismo, gerando pessoas com penas de si mesma

… depressão, atraindo cada vez mais problemas e tristezas

A manifestação física desses sentimentos em forma de doenças pode ser o próximo episódio dessa trama.

E doenças atraem energia pesada, deixam o ambiente e as pessoas que vivem nele com a sensação de estarem cobertas por poeira o tempo todo.

Se você tem essa sensação, que tal faxinar sua relação?

Mesmo que seja na intimidade do casal, joguem fora os papéis de perfeitinhos e bonzinhos e arejem o ambiente, renovando a energia e atraindo situações eróticas e excitantes…

Quer umas dicas?

– O comum é sexo na cama? Façam no chuveiro, no chão, na mesa…

– A posição é sempre a mesma? Invertam, troquem, inventem…

– Criem um “apelido” para usarem apenas nos momentos “picantes”

– Fantasias e lingeries, toys, cosméticos… adotem a ideia na prática

É muito comum nesse caso, o casal achar que conversar sobre o assunto resolve, mas nossa recomendação é que a conversa seja para a decisão e depois, ação!

Recuperar a autoestima e começar a se ver como um ser integral pode significar até alguns anos a mais de vida feliz e equilibrada energeticamente.

Ser mãe e ser pai é maravilhoso e uma benção, mas ser apenas mãe ou pai, pode ser a renúncia a uma vida feliz e equilibrada, onde tudo tem seu lugar e sua hora.

Comece com a faxina e depois, veja o brilho da coragem e da ousadia se espalhar pela sua vida!

Entre com seu email para receber as atualizações:

Desenvolvimento FeedBurner

Autor SexAtivação

SexAtivação é um projeto com Vivências, Sex Coach & Produtos Holísticos para ativar a vida amorosa e sexual dos casais, liderado por Carlos Morini e Liliane Provenzano. Carlos e Liliane estão juntos desde 1998... Por acreditar que é possível ser feliz no casamento, descobriram que a vida sexual pode ficar melhor com a cumplicidade de uma relação sincera e do sexo como um caminho de religação ao Sagrado, ideia que simboliza o chamado sexo espiritual. Entendem que qualquer pessoa ou casal pode ter uma vida sexual feliz, independentemente do caminho espiritual, por isso, criaram formas de passar sua experiência, através do Sex Coach Holístico (terapias holísticas para melhorar a vida sexual) e vivências de SexAtivação (conjunto de técnicas que aprenderam e aprimoraram ao longo do tempo e que envolve troca de energia, movimentos e respiração). E... não pretendem parar por aqui...Informações: institutoubiratan@uol.com.br

LEIA TAMBÉM

como-sair-de-um-relacionamento-abusivo

5 dicas para identificar e sair de um relacionamento patriarcal

Por *Mayra Cardozo. Sabemos que o Brasil é um país estruturalmente machista em todos os seus espaços. Para ter ideia, de acordo com uma pesquisa do Instituto Datafolha, encomendada pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP), no último ano, uma em cada quatro mulheres acima de 16 anos afirma ter sofrido algum tipo de violência. Isso mostra que cerca de 17 milhões de mulheres, totalizando 24,4%, sofreram violência física, psicológica ou sexual no último ano.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.